Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Livro: Uma brecha na barragem - A infiltração do lobby LGBT na Igreja

CRUCIFIXÃO DE JESUS


Essa pintura de Giotto* representa muito bem o episódio pungente que veneramos no Rosário, precisamente no quinto mistério doloroso: “Crucifixio et mors Domini Nostri Jesu Christi” (Crucifixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo).

Notem que Nosso Senhor crucificado está com o corpo lívido, parecendo que já emitiu ou está por emitir seu último suspiro.

Junto à Cruz estão algumas das santas mulheres. Santa Maria Madalena oscula os pés do Divino Redentor. No centro desse grupo de três pessoas, à direita de Jesus, encontra-se Nossa Senhora, vestida com túnica azul. Nesse mesmo grupo, vemos São João Evangelista amparando-A.

A pintura revela o quanto a Santíssima Virgem foi atingida pela dor, mas está de pé. Quer dizer, com força e com determinação para tudo. Ela foi concebida sem pecado original, portanto, por perfeito amor a Deus, foi capaz de frear em alguma medida a sua própria dor para se sustentar vendo seu Divino Filho sendo crucificado. Assim mesmo, manteve-se de pé o tempo inteiro.

Do lado esquerdo da Cruz, à frente, vemos os soldados romanos que disputam a túnica inconsútil do Salvador Crucificado. Aparece também Longino, segurando a lança com a qual ele feriu o lado de Jesus. Ao fundo, percebe-se a multidão que assistia os acontecimentos.

No Céu estão os anjos cantando a glória de Nosso Senhor, mas anjos invisíveis aos olhos dos homens. Entre estes, apenas a dor e a vergonha.

Esta é a pintura da Paixão de Jesus — a crucifixão e morte — segundo Giotto. Para mim, uma das obras-primas da piedade católica.

____________

* Afresco Crucifixão de Jesus, pintado pelo artista italiano da época medieval, Giotto di Bondone (1267-1337), na Capela degli Scrovegni, Pádua (Itália), entre 1304 e 1306.

**Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 30 de novembro de 1988. Esta transcrição não passou pela revisão do autor. Fonte: Revista Catolicismo, Abril/2023.

  CatolicismoCrucifixãoPaixão de CristoQuaresmaSemana Santa

Detalhes do artigo

Autor

Plinio Corrêa de Oliveira

Plinio Corrêa de Oliveira

555 artigos

Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados