Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Marca inconfundível do cristão


vitraux

Em recente artigo, prometi dar continuidade ao tema da suntuosidade dos templos, a fim de que eles possam dar a maior glória a Deus e concorrer para a santificação dos fieis. Recordamos que, ao construir nossas igrejas com requinte e esplendor, contribuímos possantemente para o cumprimento do primeiro Mandamento: Amarás o teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo entendimento.

Muito parecido com o primeiro, o segundo Mandamento nos preceitua: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo (Mateus 22, 34-46). E a melhor maneira de o fazer é procurando o bem da alma do nosso próximo no sentido de aproximá-lo cada vez mais de Deus.

O ambiente belo e de bom gosto não somente é conforme a Deus, mas também propicia o recolhimento e a elevação do espírito para Lhe prestarmos atos de louvor, ora glorificando-O, ora pedindo-Lhe luzes e forças, ora agradecendo as dádivas recebidas. Nesse ambiente ordenado reina a paz de alma, tão necessária ao desabrochar das verdadeiras vocações sacerdotais e religiosas.

O que a luz do sol é para a lua, assim a luz da Igreja é para o Estado. As coisas esplêndidas e maravilhosas exercem um poder fascinante nas almas. O culto religioso desenrolado num ambiente nobre, distinto e belo só pode conduzir a Deus. Muitos santos escolhiam os melhores incensos, as alfaias mais requintadas para ornar os ministros que subiam o altar de Deus para celebrar o Santo sacrifício da Missa.

Que fique claro, leitor, não se tratar de um aparato desnecessário, como objetou Judas Iscariotes ao ver Maria Madalena quebrar o vaso de bálsamo precioso para ungir os pés do Senhor. Na verdade, ela prestava através daquele gesto um ato de veneração e adoração ao Filho de Deus vivo. Judas viu no seu gesto apenas desperdício, pois o bálsamo poderia ter sido vendido e o dinheiro dado aos pobres. Mas Nosso Senhor não a censurou, antes disse que aquilo era para Sua sepultura. E aduziu: “Pobres, sempre os tereis convosco”.

O fato de ter existido um Papa como São Silvestre – que dotou a Igreja de grande magnificência, enriquecendo-A de todos os modos possíveis – contribuiu enormemente para influenciar a sociedade civil e a própria mentalidade dos povos. Na medida em que se deixaram permear pela mentalidade católica, eles foram aprimorando as suas próprias edificações públicas ou residenciais com gravidade e ornato.

Assim como a Igreja tem a missão de influenciar as almas e as mentalidades para o bem, nada mais natural que os povos por Ela formados moldem por sua vez seus ambientes de maneira cristã. O resultado é a emanação de uma mentalidade condizente com o ambiente da Igreja, tanto nos costumes quanto na música ou na arquitetura. Foi o que se deu com a Civilização Cristã medieval.

Concluo o presente artigo com esta assertiva cheia de razão de Plinio Corrêa de Oliveira: “É preciso que seja católica a alma que na obra de arte palpita, para que se possa dizer genuinamente cristã. E o ambiente cristão não é suscetível de impregnar apenas um edifício destinado ao culto, mas qualquer local que tenha em sua configuração a marca inconfundível com que a alma cristã se exprime em tudo quanto faz.”

Pe. David Francisquini é Sacerdote da Igreja do imaculado Coração de Maria –  Cardoso Moreira-RJ

Detalhes do artigo

Autor

Padre David Francisquini

Padre David Francisquini

137 artigos

Pe. David exerce sua missão sacerdotal na Igreja do Imaculado Coração de Maria, em Cardoso Moreira (RJ). Entusiasta do livro Revolução e Contra-Revolução, do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, o Revmo. Pe. David sempre propagou os ideais deste insigne pensador e líder católico. Pe. David é autor de dois livros importantes para a defesa da família Brasileira: "Catecismo contra o Aborto" e "Homem e Mulher, Deus os criou".

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados