Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

O dever moral dos católicos face às eleições


Qual o dever dos católicos nas eleições?

Que é preciso fazer, que remédios haveremos de usar para defender a Igreja, a Civilização Cristã, o nosso Brasil contra os perigos que nos ameaçam?

Como veremos, essa é uma pergunta de todos os tempos; papas, cardeais, moralistas já trataram dessa obrigação do católico face às eleições. Claro, não se trata da orientação progressista emanada de setores da CNBB para a qual os supremos interesses da Santa Igreja são “esquecidos” e a chamada promoção humana, o cuidado da “mãe terra”, a defesa de uma estranha “democracia” são notas tônicas.

A recente Mensagem da CNBB, que contrista um coração católico, foi comentada em nosso Site: “Constatamos os alarmantes descuidos com a Terra, a violência latente, explícita e crescente, potencializada pela flexibilização da posse e porte de armas que ameaçam o convívio humano harmonioso e pacífico na sociedade.https://ipco.org.br/sete-de-setembro-a-cnbb-e-a-oracao-contra-o-comunismo-ii/

Os Papas condenaram o socialismo e o comunismo

O Site do Instituto publicou uma série de artigos com as condenações pontifícias ao socialismo e ao comunismo. Desde o glorioso Papa Pio IX (1846), dois anos antes do famigerado Manifesto Comunista, os Sumos Pontífices têm condenado a seita vermelha.

https://ipco.org.br/os-papas-condenaram-o-socialismo-e-o-comunismo-i/

https://ipco.org.br/papa-leao-xiii-condenou-o-socialismo-e-o-comunismo-ii/

https://ipco.org.br/papa-pio-xi-condenou-o-comunismo-intrinsecamente-perverso-iii/

Recordamos que “a Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício, por mandato e com a autoridade do Sumo Pontífice Pio XII, promulgou um decreto no dia 1o. de julho de 1949, no qual proscreve categoricamente o comunismo e toda colaboração com ele. (A.A.S., voL XLI, pág. 334).

“lV – Os fiéis que professam a doutrina materialista e anticristã dos comunistas e principalmente aqueles que a defendem e divulgam, incorrem, ipso facto, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica, como apóstatas da Fé católica?

Resposta: Sim, incorrem.” (A.A.S., voL XLI, pág. 334).

O Brasil, maior País católico da Terra

O Brasil continua a ser o maior País católico da Terra. Somos, portanto, o maior contingente eleitoral. Um esclarecimento sobre a obrigação moral de votar — e votar segundo o ensinamento dos Papas, é da maior utilidade. Para atender à solicitação de um líder católico, grande amigo do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, — interessado em orientar o seu público sobre o dever moral do voto — recorri ao acervo cultural e doutrinário do site www.pliniocorreadeoliveira.info

Resumo aqui o pensamento do Prof. Plinio.

Renovação sincera da vida particular e pública

“Como em todos os períodos mais tormentosos da história da Igreja, responde-nos Pio XI na Encíclica “Divini Redemptoris”, assim também hoje o remédio fundamental é a renovação sincera da vida particular e pública, conforme os princípios do Evangelho, em todos aqueles que se gloriam de pertencer ao redil de Cristo, a fim de que sejam realmente sal da terra, que preserva a sociedade de tal corrupção”. (1)

Trata-se, portanto, de uma renovação moral do homem que trará como consequência a moralização da sociedade, da vida pública. Renovação moral é palavra alheia e esquecida na recente Mensagem da CNBB.

Uso do direito de voto

Continua o Prof. Plinio:

“Vivamos, portanto, verdadeira e sinceramente a nossa Fé, empreguemos o melhor de nossos esforços e de nossos sacrifícios pela renovação da vida pública de que depende a salvação de nossa Pátria, diante dos perigos que a ameaçam. Entre as armas pacíficas de que dispomos para esse bom combate, se acha o uso do direito de voto. (2)

Salvar a Pátria diante dos perigos que a ameaçam: como é atual essa frase. Aí está, diante de nós, uma esquerda que apoiada por certa mídia engajada — e outras forças tão notórias aos olhos de todos, incluindo Bispos e Sacerdotes progressistas — tudo faz para retomar o Poder e já nos promete uma nova Venezuela, Cuba, ou Nicarágua.

Essa esquerda é pró aborto, pró invasão de propriedades, contrária à legítima defesa. Ela defende a agenda de gênero e afirma a supremacia do Estado na educação dos filhos. Seu Patrono é Paulo Freire, ela despreza nosso grande Apóstolo, educador, São José de Anchieta.

“O uso do direito de voto atinge a consciência?”

Numa democracia, em que a constituição do Estado outorgue o direito de voto como meio de participar na condução dos negócios públicos, os cidadãos, por estarem obrigados a ocupar-se do bem público, devem considerar o uso desse direito como um caso de consciência.

“Estão, pois, obrigados:

  • “1) a usar os direitos de voto que lhes outorga a constituição;
  • “2) a usar deles para o bem comum (Carta do Cardeal Rampolla, em nome de Leão XIII, ao Arcebispo de Bogotá).” (3)

Em que se funda esta obrigação de consciência?

Ainda aqui, por brevidade, resumimos o pensamento exposto pelo Prof. Plinio, fundamentado no ensinamento da Santa Igreja.

A obrigação de consciência funda-se:

  • “1) Na justiça social. É um dever do direito natural para o cidadão o aplicar-se em impedir o mal e o procurar o bem da sociedade, dentro das funções que lhe tenham sido designadas pela Constituição.
  • “2) Na Fé e na Religião. Como pedimos no Padre Nosso “Venha a nós o Vosso Reino”, é nosso dever de homens, de batizados e de confirmados – sobretudo em tempos em que a Fé periga – a não deixar nada por fazer, dentro das funções que nos correspondem, para impedir aquilo que seria prejudicial para o bem das almas, à ação espiritual da Igreja e procurar, pelo contrário, as condições que tornem mais fácil o exercício de sua missão.
  • Não votando, ou votando por candidatos hostis à religião ou que desconheçam a necessidade de seu papel na sociedade, os católicos faltam a seus deveres com respeito a Deus, à Igreja e à alma de seu próximo (Encíclica “Immortale Dei”, II, 47, 49).
  • “3) Esta obrigação também se funda na Caridade. A abstenção é um motivo de escândalo. Se a pessoa se crê com direito a abster-se, também seu vizinho pensará do mesmo modo. Pelo contrário, a presença de um único homem pode arrastar a outros que se achavam tentados a não cumprir seu dever. O “farão o mesmo sem mim” é sempre um raciocínio lastimável, oposto ao espírito de ajuda fraternal e de colaboração. Por outro lado, o uso do voto em benefício de interesses privados, em detrimento do bem comum, é, evidentemente, ao mesmo tempo que contrário à justiça social, contrário também ao amor de Deus, de nossa pátria e de nossos concidadãos.” (4)

***

Qual será o bom candidato?

O artigo não foge às considerações de ordem prática decorrentes da doutrina acima exposta. A Mensagem da CNBB “esqueceu” os direitos de Deus, tanto mais se faz necessário lembrar o que é um bom candidato:

  • “O candidato deve achar-se disposto a não votar senão aquelas medidas em que sejam respeitados os direitos superiores de Deus, de Jesus Cristo, Rei e Redentor do mundo e da Igreja estabelecida por Nosso Senhor entre as nações, acima delas, para santificá-las (direito de ser reconhecida, direito de exercer seu magistério de verdade, de ensinar, de exercer seu ministério de santificação, seu culto público, seu governo hierárquico, e direito de possuir); medidas nas quais serão também respeitados os direitos imprescritíveis da consciência religiosa (liberdade de praticar individualmente ou em comum a religião, de instruir-se nela e de instruir aos demais, aos meninos em particular).
  • “A honestidade exige, ademais, que o candidato tenha a vontade de defender ou de realizar as outras condições essenciais à vida e à prosperidade do país e que são: a família com sua indissolubilidade e sua unidade, com sua liberdade de instruir e de fazer instruir seus filhos em conformidade com seus princípios religiosos; a propriedade com os direitos do capital e do trabalho, com as obrigações de justiça social e de caridade; a autoridade com o caráter de missão divina que impõe seus justos mandatos à obediência dos subordinados e com sua função de guardiã e de promotora do verdadeiro bem comum.” (5)

O ensinamento de São Pio X

Em qualquer caso em que a eleição for disputada de tal maneira que ponha em jogo os interesses da Religião e os mais graves interesses do País, existe, pois, a obrigação de eleger um candidato capaz de reunir em torno de si a maioria dos católicos e dos demais cidadãos de boa vontade e de fazer calar toda ambição particular, toda rivalidade de partido (São Pio X, Inter Catholicos, II, 150).

https://www.vatican.va/content/pius-x/la/letters/documents/hf_p-x_let_19060220_inter-catholicos.html

As divisões dos católicos nas eleições constituem um mal gravíssimo. Elas têm sido frequentemente causa de cruéis vexames e perseguições para a Igreja e podem, do mesmo modo, ser muito prejudiciais ao bem da ordem no país.

***

Um católico eleito para uma função pública, “deve recordar, antes de tudo, que há de ser em qualquer circunstância e há de mostrar-se verdadeiramente católico assumindo e exercendo os cargos públicos com a firme e constante resolução de tanto quanto possa fazê-lo, promover o bem social e econômico da pátria e particularmente do povo, seguindo os princípios da civilização nitidamente cristã, e há de defender ao mesmo tempo os interesses da religião e os da justiça.” (Pio X, Il fermo proposito, II, 99).

***

Aí estão os ensinamentos de Papas sobre a obrigação moral de votar bem. A Igreja condena o socialismo e o comunismo.

A Ditadura de Esquerda (PT) defende o regime comunista cubano, financiou essa e outras ditaduras de esquerda como Venezuela e nações africanas; apoiou Evo Morales. Está alinhado ao aborto, à ideologia de gênero, defende e protege o MST.

O IPCO não está filiado a Partidos Políticos, nem fazemos propaganda dessa ou daquela agremiação. Somos católicos e praticamos os ensinamentos da Santa Igreja aplicando-os ao terreno político-social. A Igreja condena o socialismo e o comunismo.

Os fiéis que professam a doutrina materialista e anticristã dos comunistas e principalmente aqueles que a defendem e divulgam, incorrem, ipso facto, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica, como apóstatas da Fé católica? Resposta: Sim, incorrem. (A.A.S., voL XLI, pág. 334).

***

Nossa Senhora Aparecida proteja o Brasil e ilumine esse bloco católico para cumprir suas obrigações morais de votar em defesa da Igreja, da Civilização Cristã, do Brasil e derrotarmos, mais uma vez a grande inimiga da Terra de Santa Cruz, a esquerda.

Fonte: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/LEG_450902_eleicoes_voto.htm

Detalhes do artigo

Autor

Marcos Machado

Marcos Machado

474 artigos

Pesquisador e compilador de escritos do Prof. Plinio. Percorreu mais de mil cidades brasileiras tomando contato direto com a população, nas Caravanas da TFP. Participou da recuperação da obra intelectual do fundador da TFP. Ex aluno da Escola de Minas de Ouro Preto.

Categorias

Tags

Esse artigo não tem tag

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados