Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Acesse sua conta

Logo do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira
Instituto

Plinio Corrêa de Oliveira

REFORMA AGRÁRIA, essa cinqüentona! (V)

Foto: Daniel Martins
Por Daniel Martins

há 12 anos2 min

Atualizado em: 10/5/2015, 10:26:55 PM


A “TERRABRAS” vista por dentro

O moloch burocrático que envolve atualmentre a Reforma Agrária se vê refletido num organograma do complexo Ministério do Desenvolvimento Agrário-INCRA.

Há 30 superintendências regionais com a finalidade de coordenar e executar as ações do INCRA nos Estados.

Por sua vez, cerca de 500 empreendedores sociais têm como principal atividade a articulação de parcerias com prefeituras, conselhos municipais e organizações sociais visando à implementação de projetos de assentamentos sob sua supervisão.

Eles também fazem o papel de agentes locais do INCRA, acompanhando a liberação de créditos aos assentados e verificando o cumprimento de obras.

Mas o labirinto da burocracia ainda não terminou.

Cada assentamento tem uma ou mais associações, entidades com personalidade jurídica própria, sem fins lucrativos e possuem uma diretoria eleita em assembléia pelos assentados.

Os membros da diretoria podem ou não ser assentados. Tal diretoria é a personificação da liderança de direito do assentamento. A estas associações são repassados os créditos do governo.

Na maior parte dessas diretorias, existe uma predominância de lideranças dos movimentos sociais como MST e outros que se entendem muito bem com os funcionários do INCRA. Portanto, com enorme conteúdo político.

Ademais, as associações coordenam todos os assuntos do assentamento, como prefeituras, governos estaduais e governo federal.

Elas intervêm nos planos de assistência técnica e extensão rural e da estrutura do assentamento, e, freqüentemente, participam na elaboração e guarda dos produtos gerados pelos assentados bem como de sua colocação no mercado.

E na base dessa imensa estrutura piramidal se encontram os mais de um milhão de humildes assentados.

Dada a falta de condições mínimas para se tornarem produtores de verdade, a Terrabras vem criando parcerias para o fornecimento de serviços de assistência técnica e extensão rural (ATER) aos assentados.

As instituições de ATER que participam dessa parceria com maior cobertura e penetração são as de caráter público, como Emater, Secretarias de Agricultura estaduais e municipais, entre outras.

Entidades privadas concorrem de forma bem mais restrita, concentrando no setor comercial.

Detalhes do artigo

Autor

Daniel Martins

Daniel Martins

320 artigos

Voluntario do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira. Articulista na Revista Catolicismo e na Agencia Boa Imprensa. Coordenador do Canal dos Santos Anjos no YouTube: https://www.youtube.com/c/CanaldosSantosAnjos/

Categorias

Esse artigo não tem categoria

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados