Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Livro: Uma brecha na barragem - A infiltração do lobby LGBT na Igreja

A segunda safra, a “maldição do petróleo” e os irmãos siameses


A matéria sobre a 2ª safra já se achava pronta, quando Brasília (não o Brasil) foi surpreendida pela paralisação dos caminhoneiros. Com efeito, não se tratou de greve, quase sempre promovida por pelegos sindicalistas, pois essa interrupção dos serviços foi de uma classe batalhadora e ordeira, ainda com um pouco do espírito de aventura do cavaleiro medieval.

Ela nos traz à memória a atividade das tropas, pois o caminhoneiro não é senão o novo tropeiro, conforme a definição de Luana Manzione Ribeiro em seu livro sobre tropeirismo: “Era um homem honesto, bravo de cultura simples e de extrema importância para formação cultural e geográfica do país, sendo considerado um dos ícones da nação brasileira.  Seu ofício foi de extrema relevância para a interligação e comunicação das diversas regiões do país”.

Para se entender o fundo de quadro do problema faz-se necessário lembrar que o petróleo sempre existiu no mundo, e foi utilizado nas fogueiras, na calafetação de barcos, nas construções, na iluminação, nas lubrificações e até em chamas nas pontas de lanças dos guerreadores.  Das citações mais antigas que se conhece, o capítulo 6 do Gêneses (Bíblia) aponta a existência de “(…) arca-de-madeiras aplainadas e calafetadas com betume por dentro e por fora” (Arca de Noé).

Quando menino cheguei a brincar com pedras incendiárias de betume (xisto) existentes no centro-sul do meu Paraná. Com o advento da indústria, e, sobretudo do motor a explosão, o petróleo tornou-se o combustível dos meios de transporte, surgindo daí as grandes companhias petrolíferas que iniciaram a sua exploração em escala, a partir do Oriente Médio, onde foi e continua sendo abundante.

No Brasil essa onda – o petróleo é nosso – nasceu no período Vargas. Em 1954 é fundada a Petrobrás para explorá-lo com exclusividade. Depois de 20 anos e gastando bilhões, a estatal produzia quase nada, tanto que na grande crise mundial do petróleo na década de 1970, em decorrência do conflito árabe-israelense, o Brasil foi obrigado a importá-lo, contraindo por isso enorme dívida, pretexto para a esquerda deblaterar contra o regime militar vigente, o FMI e os Estados Unidos.

O restante desta dívida com o FMI saldo foi “pago” durante o governo de Lula da Silva – cerca de 15 a 20 bilhões de dólares –, mas não sem a contrapartida da elevação da dívida interna que subiu para mais de 1(um) trilhão de dólares no final dos 13 anos do governo petista. O que aconteceu na verdade foi que demagogicamente o governo Lula pagou um sorvete ao FMI para ficar devendo um navio aos brasileiros.

Para compreender um pouco mais o problema brasileiro, reporto-me a alguns antecedentes históricos. Tendo eu terminado de ler o livro “Dom Pedro II”, do Prof. Murilo de Carvalho, apesar de minhas muitas ressalvas quanto à sua interpretação histórica, considero o geral de sua narrativa em que fica demonstrado que o Brasil naquele tempo era potência respeitada em todo o mundo.

Antes de tudo pela estabilidade política, alicerçada na sólida Constituição de 1824, e não a “colcha de retalhos” promulgada em 1988, e que já possui quase 100 emendas. Os 50 anos de estabilidade política propiciaram um desenvolvimento semelhante ao dos países tidos como desenvolvidos. No que se refere aos transportes, a nossa matriz era: hidrovias e ferrovias, além dos tropeiros. A Monarquia nos legou 18 mil km de estradas de ferro.

Dom Pedro II contratou um hidrólogo francês, que juntamente com um dos maiores geólogos brasileiros, o Barão Homem de Mello, fez um estudo do planalto central – de onde nascem os rios que vazam para as principais bacias hidrográficas – a fim de fazer a interligação das bacias fluviais e possibilitar a navegação de norte a sul e de leste a oeste do nosso imenso território. Nos trechos não navegáveis, as ferrovias cumpririam o seu papel.

Contudo, o curso mundial valorizou o petróleo e Brasil o acompanhou. Ao longo da República Velha, o transporte movido a combustível fóssil começou a ser desenvolvido, tomando logo o seu vigor com lemas grandiloquentes como “governar é abrir estradas” do então presidente Washington Luís. Assim, hoje temos 1.720.800 quilômetros de estradas, sendo 220.000 pavimentados…

A visão de estadista parece ter desaparecido do mapa nacional com o advento da república. Com a escolha do modal rodoviário em detrimento dos outros, as montadoras de caminhões vieram para o Brasil, desenvolvendo aqui modelos tecnologicamente muito avançados, que chegam a despertar a cobiça do mundo inteiro. Mas a que preço!

Com o desenvolvimento do agronegócio, a logística rodoviária foi se consolidando, enquanto pouco se fazia por modais mais competitivos. Se hoje o minério é transportado por trem, o agronegócio continua a utilizar o transporte rodoviário. O resultado foi o nascimento do “bebê-siamês”: metade agronegócio, metade transporte rodoviário. Um não vive sem o outro. Por este lado pode-se entender o apoio que os agropecuaristas emprestaram ao movimento dos caminhoneiros, apesar dos prejuízos sofridos.

* * *

A administração do PT (13 anos) se apoderou logo da Petrobrás, e a estatal foi transformada na galinha dos ovos de ouro do governo para todos os arroubos e, sobretudo roubos por meio de mensalões, petrolões e outros desmandos o que arruinaram a empresa, fazendo com que em março de 2016 ela valesse R$ 126 bilhões enquanto a sua dívida alcançava 450 bilhões de reais. Afinal, não precisamos detalhar o ocorrido. Basta perguntar ao juiz Sergio Moro e folhear os jornais para saber. Só não perguntem ao Lula, pois ele nunca sabe…

Dois anos depois de sua ruína, mais precisamente em março de 2018, a dívida se encontrava reduzida a R$ 341 bilhões, enquanto o valor de mercado era de R$ 293 bilhões. Na véspera da parada da alta do petróleo, a Petrobrás chegou a valer R$ 380 bilhões, para uma dívida de R$ 340 bilhões. Todo mundo comemorou como um sucesso. Aconteceu que nem os órgãos de imprensa nem o governo previu que a mesma chama que acendeu os fogos de artifício da véspera foi a que no dia seguinte pôs fogo no Brasil e tudo parou!

O então diretor da estatal Pedro Parente, a quem não nego competência, é o típico tecnocrata que já havia recuperado várias empresas. O Professor Plínio Correa de Oliveira, com sua sabedoria impar recomendava cautela com os superespecialistas, pois eles costumam saber muito do pouco e quase nada do muito. Ou seja, sabe resolver um problema específico, mas não tem a visão de conjunto sobre os acontecimentos e suas consequências.

O problema da Petrobrás é ser estatal e monopolista desde a sua fundação. Quando foi lançado o lema “o petróleo é nosso”, por que não foi incentivado a que empresas privadas o fizessem? Porventura os empresários particulares seriam ou são marcianos? Com efeito, se fosse privada, tudo seria diferente. É claro que o Estado faria grandes estoques estratégicos comprados da iniciativa privada, assim como faz com a Companhia Nacional de Abastecimento que compra produtos agrícolas para ter um estoque regulador.

* * *

Como fica a segunda safra, ou como se dizia até há pouco, a safrinha nesse contexto? Difícil prognosticar. Pelas amostragens – exposições agropecuárias e agrishows que conheceram recordes de público e de negócios como o ocorrido em Ribeirão Preto, onde houve um aumento de 22% de visitantes, com delegações de 46 países, além de 2 bilhões de reais em negócios – as coisas pareciam caminhar bem.

Nossa safra de soja no ano passado, por pouco, não superou à americana, mas há indícios de que os suplantaremos em breve. Detemos mais de 50% das exportações mundiais de açúcar e devemos bater novos recordes na sua produção. O etanol já abastece mais de 25% dos veículos nacionais, além da mistura na gasolina, com teores que variam de 17 a 25%. Depois que o PT abandonou o setor – mais de 80 unidades fecharam as portas – as usinas estão em franca recuperação.

Cumpre ressaltar que as mais de 400 usinas brasileiras vêm produzindo energia elétrica com as sobras do bagaço da cana. São 11,7% de toda a energia gerada no Brasil, ou mais de uma vez e meia a produção da hidrelétrica de Itaipu. Por feliz coincidência, quando o petróleo e seus derivados provocaram uma das maiores crises do Brasil, engenheiros japoneses da Toyota e seus colegas brasileiros conceberam o motor do carro hibrido Prius, com milhões de unidades vendidas no mundo, que agora funcionará com etanol e eletricidade.

A energia do motor, vem de uma bateria alimentada por um ponto externo de recarga (tomada), bem como por um gerador interno de combustão. No caso ele funcionará com etanol. O protótipo partiu de São Paulo, passou por regiões produtoras de cana-de-açúcar do interior paulista, parou em Ribeirão Preto, onde ocorreu o seu lançamento oficial, e só depois rumou para Brasília, rodando 1.580 km com muito bom desempenho.

O veículo vai de São Paulo a Ribeirão Preto com 25 reais de etanol. Se houver apoio político, poderemos dar adeus à Petrobrás. Mas a batalha promete ser árdua. Pois sobre os combustíveis alternativos pesa uma desdita, como lamentava com a sua verve baiana o saudoso cientista Bautista Vidal: “A cabeça dos dirigentes da Petrobrás não é flex”. Ou seja, não toleram os biocombustíveis.

Convenhamos, alternativas há e temos de correr ao seu encontro, pois o ciclo do petróleo está acabando. Assim como a Idade da Pedra acabou não pela falta de pedras, mas em decorrência de o homem ter inventado a siderurgia, também um novo ciclo está prestes a se abrir em matéria de combustíveis.

A produção de suco vem alcançando patamares históricos. Deveremos produzir 1/3 do café mundial, além de exportarmos quase 40% de todo o café comercializado no mundo. Poderíamos falar de um sem-número de outras produções que estão sendo cultivadas agora no outono-inverno, mas ficaremos por aqui. As exportações já ultrapassam os US$ 94 bilhões nos primeiros 5 meses, sendo 9,4% maiores que as do ano passado e 45% desse total se deve ao agronegócio.

Como bem salienta Evaristo de Miranda – presidente da Embrapa Territorial – em seu recente livro “Tons de Verde” (capa ao lado), o Brasil alimenta mais de 1,5 bilhões de pessoas mundo afora preservando 63,3% de nosso território. Ou seja, 563.736.030 de hectares estão preservados. Isso, leitor, representa área maior do que os 28 países da Comunidade Europeia.

E ainda caberia neste número mais de três vezes a área equivalente à meio-birrenta Noruega que possui capitais aplicados em mais de 150 empresas brasileiras, mas financia todo o tipo de ONGs para infernizar os produtores rurais. Além dessa preservação, o Brasil dispõe de 7,8 milhões de hectares de florestas plantadas, que respondem por 91% de toda a madeira utilizada no país.

O agronegócio gera 33% dos empregos nacionais, sendo que nos últimos 15 anos gerou um superávit de exportações equivalente a 1 trilhão de dólares. Graças a esses resultados nossas reservas cambiais estão chegando a US$ 400 bilhões.

O presidente Temer e certos setores da imprensa passaram a qualificar de subsídio o que está sendo concedido aos caminhoneiros, mas a meu ver não se trata disso, pois o problema, segundo Adriano Pires – um dos maiores especialistas em energia do país – o problema não é o posto (de combustível) e sim o im-posto (do governo)! Ou seja, o que propôs foi retirar um tanto do imposto extorsivo, que em alguns estados ultrapassava os 50% do produto.

Só para se ter uma ideia da “farra dos tributos”, no último fórum promovido pelo jornal Estado de São Paulo, a Dra. Camila Junqueira, da Endeavor Brasil, disse “a regra [dos tributos] não pode mudar o tempo inteiro, a legislação do ICMS foi atualizada 558 vezes nos últimos 4 anos. Fica impossível dar conta das mudanças!” Seria o caso o caso de repetir com Shakespeare que há método nesta loucura. Neste ponto, apesar de muito atingido, o agronegócio aplaudiu a paralização dos caminhoneiros porque também são sugados pelo alto preço do diesel.

Além da preocupação que sobrepaira em todo o país em relação às próximas eleições, as surpresas que poderão advir, assistimos à tragédia do aumento de mais de 300% de roubos às propriedades rurais. Leva-se de tudo: máquinas, equipamentos, produtos agrícolas, gado de corte e de leite, ordenhadeiras e resfriadores de leite, adubos e defensivos químicos…

Um dos candidatos a presidente já chegou a propor uma bolsa-fuzil para os proprietários se defenderem; outro se apressou a facilitar o porte de armas para os proprietários rurais. Contudo, o mais importante ninguém prometeu, ou seja, a mudança da legislação para o caso de o proprietário ou um funcionário seu, em legítima defesa, atinja um meliante. Pois hoje a lei favorece mais o bandido do que o homem de bem.

Sempre em trânsito, rascunhei esta matéria, e ao passar pelo Santuário de Nossa Senhora da Cabeça, Silveiras, onde brota uma fonte tida pelos devotos como miraculosa, tomei um pouco da água pedindo a Mãe de Deus luz para as cabeças dos brasileiros, sobretudo as de nossos dirigentes. Que Ela, sob a invocação de Nossa Senhora Aparecida, faça com que o Brasil prossiga no seu caminho rumo ao futuro grandioso que lhe fora traçado pela Divina Providência.

Detalhes do artigo

Autor

Helio Brambilla

Helio Brambilla

38 artigos

Diretor de Paz no Campo e colaborador do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira. É autor de diversos artigos sobre a questão agrária, quilombola e propriedade privada no Brasil.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados