Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

A caravana do IPCO começou

Evo cocaleiro, Francisco, impeachment de Dilma e crise continental das esquerdas


'Hermano Papa, se la recomiendo
‘Hermano Papa, se la recomiendo, así va aguantar toda la vida’. Evo Morales foi se queixar dos bispos que criticam o narcotráfico instalado no Estado

Na rabeira de Raúl Castro e de Nicolás Maduro, o presidente da Bolívia, Evo Morales, fez ouvir sua voz em defesa de Dilma Rousseff, enquanto o impeachment não a tirar do Planalto.

Evo inaugurou sua conta oficial no Twitter e mostrou saber fazer uso dela enviando uma mensagem de apoio à presidente brasileira calcada no discurso petista:

“Não ao golpe congressal (sic!). Defendamos a democracia do Brasil, sua liderança regional e a estabilidade da América Latina”.

Segundo o jornal “La Nación”, de Buenos Aires, “o presidente aimará admitiu sentir ‘indignação’ pelas noticias que chegavam do Brasil e mostrou estar do lado do povo que, segundo ele, é quem tem a verdade”.

Há poucas semanas o povo boliviano tirou-lhe em referendo a possibilidade de se reeleger mais uma vez, contrariando a vontade expressa de Evo e de seu partido. Nesse caso não tinha a verdade!!!

O presidente boliviano foi no Vaticano, onde teve – segundo o jornal “Clarín” de Buenos Aires – “disparatado encontro com o Papa Francisco”.

“¡Hermano Papa, qué alegría verlo!” – saudou aos berros o presidente no início da audiência na qual aconselhou o Papa Francisco a tomar coca.

Se la recomiendo así aguanta toda la vida”, explicou, talvez pensando no amargo momento por que passam os líderes populistas, políticos ou religiosos do continente.

O presidente de Bolívia foi recebido mais longamente que seu homólogo argentino Mauricio Macri, eleito no país natal do Pontífice e ante quem Francisco I exibiu carrancuda fisionomia, em dissonância com a imagem que se divulga habitualmente dele.

Evo Morales foi se queixar dos bispos de seu país. Numa carta pastoral eles advertiram contra o “avanço do narcotráfico e sua penetração nas estruturas do Estado boliviano”. E Evo se sentiu atingido.

Francisco e Evo Morales
Evo deu mais um presente de sabor marxista a Francisco I: Um busto do líder indígena Tupac Amaru símbolo da guerrilha comunista e da Teologia da Libertação

Também aproveitou para fazer apologia da coca, recomendando-a ao Papa Francisco na presencia dos jornalistas: “Eu tomo, me faz muito bem, eu lhe recomendo, assim aguenta a vida toda”.

Embora possa ser ingerida a título medicinal em infusões caseiras sem nenhum efeito tóxico, a folha faz parte da lista de drogas e narcóticos elaborada pela ONU em 1961.

Evo presenteou o pontífice com duas mensagens e três livros. A primeira mensagem foi dos líderes daCentral Obrera Boliviana (COB) e a segunda, daCoordinadora Nacional pelo Cambio, organizadora dos movimentos sociais.

Ambas as mensagens apoiam as críticas do presidente aos bispos pelo tráfico oficial de drogas. Também defendem o cultivo da coca e invectivam a “grupos relacionados com a Igreja Católica” que atacam aos movimentos sociais.

Segundo o jornal espanhol “El País”, os três livros – Coca, la dieta citogénica; Coca, un biobanco e La coca contra la obesidad – fazem o elogio do consumo da coca.

E como se fosse pouco, o presidente Morales ainda tirou de uma caixa um busto de madeira do líder aimará Tupac Amaru, ícone da esquerda subversiva e guerrilheira latino-americana e da Teologia da Libertação, esquartejado em 1781 após liderar uma revolta indígena.

Francisco presenteou o presidente boliviano com dois livros: um com a exortação apostólica “A alegria do amor” e outro com una entrevista do Papa intitulado “O nome de Deus é misericórdia”.

Para o Grupo de Diários América (GDA), que reúne onze grandes grupos jornalísticos latino-americanos, a “esperança” do início dos anos 2000, materializada pelo “socialismo do século XXI”, desabou após os resultados eleitorais na Venezuela, na Argentina e na Bolívia.

“O pêndulo começou a virar à direita, evidenciando o desgaste dos modelos”, comenta em artigo reproduzido pelo “O Globo”.

— A esquerda sempre clamou ter monopólio da vontade popular. Os “outros” não são povo. Em momentos em que a esquerda perde popularidade e os “outros” viram maioria, ela recorre a teorias de conspiração para justificar que ela continua sendo a voz do povo — analisa Juan Carlos Hidalgo, do Instituto Cato, com sede em Washington, segundo o jornal carioca.

 

Disputa na rua por cebolas, no Mercado Central Centenário de Las Mercedes, Venezuela

Detalhes do artigo

Autor

Luis Dufaur

Luis Dufaur

1042 artigos

Escritor, jornalista, conferencista de política internacional no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, webmaster de diversos blogs.

Categorias

Esse artigo não tem categoria

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados