Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

Nossa Senhora das Dores

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós! Que possamos imitar a sua fé e perseverança.


Nossa Senhora das Dores

"Pietá de Tarascon", pintura da escola provençã do séc. XV (Musée de Cluny, Paris [Foto PRC])

Celebração instituída pelo Papa Pio VII em 1814, em substituição a duas outras muito antigas, para rememorar as dores da Corredentora do gênero humano. Neste dia os católicos lembramos a Mater Dolorosa e reparamos as suas Sete Dores.

Mãe das Dores, sim, pois Deus, cujo nascimento vindouro era a razão do próprio nascimento da Virgem, deverá ser neste mundo o homem das dores e do sofrimento, conforme o Profeta Isaias:

Era desprezado, era a escória da humanidade, homem das dores, experimentado nos sofrimentos; como aqueles, diante dos quais se cobre o rosto, era amaldiçoado e não fazíamos caso dele. Em verdade, ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos: e nós o reputávamos como um castigado, ferido por Deus e humilhado.
Is 53, 3

A quem comparar-Vos? Jeremias, o profeta das lamentações, fala que a aflição de Maria era grande e profunda como o mar:

A quem te comparar, filha de Jerusalém? Quem irá salvar-te e consolar-te, ó virgem, filha de Sião? É imensa como o mar tua ruína: quem poderá curar-te?
Jer., Lamentações 2, 13

No Calvário, a montanha do Sacrifício, como Mãe, Ela ofereceu o Filho; como esposa do Espírito Santo, ofereceu-se com Jesus; por seus sofrimentos de esposa e de mãe, ela foi a co-redentora do gênero humano.

A profecia do velho Simeão, a fuga para o Egito, a perda do Menino Jesus em Jerusalém, o carregamento da Cruz, a Crucifixão, a descida da Cruz, o sepultamento de Jesus, são os sete mistérios em torno dos quais Nossa Senhora se agrada de ver agrupados os aspectos quase infinitos dos sofrimentos, que dela fizeram a Rainha dos Mártires, a primeira rosa e a mais bela do campo de Deus. (Cfr. Dom Prosper Guéranger, L’Année Liturgique –– Le temps apres la Pentecôte, Maison Alfred Mame et Fils, Tours, 1922, Tome V).

Detalhes do artigo

Autor

Paulo Roberto Campos

Paulo Roberto Campos

217 artigos

Jornalista (MTB 83.371/SP), colabora voluntariamente com a Revista "CATOLICISMO" (mensário de Cultura e Atualidades) e com a "ABIM" (Agência Boa Imprensa).

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados