Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

30/01 – Santa Jacinta de Mariscotti, Virgem

Sua conversão foi marcada por renúncias extremas, como trocar sua cama por um feixe de lenha, praticar severas mortificações e alimentar-se apenas de pão e água, sendo reconhecida por seus milagres e devoção.


30/01 – Santa Jacinta de Mariscotti, Virgem

Santa Jacinta de Mariscotti

Após levar vida frívola e mundana mesmo no convento, Jacinta de Mariscotti converteu-se radicalmente, transformando-se em grande santa, dotada dos dons de milagres e de profecia.

Clarice de Mariscotti – como se chamava Jacinta antes de entrar em religião – era filha de Marcantonio Mariscotti e Otávia Orsini, condessa de Vignanello, localidade próxima de Viterbo, onde a santa nasceu provavelmente no dia 16 de março de 1585.

De seus pais muito virtuosos recebeu profunda formação religiosa, correspondendo aos anseios paternos. Entretanto, atingindo a adolescência, Clarice tornou-se vaidosa e mundana, querendo só se divertir. Sua preocupação passou a ser seus vestidos, seus adornos, seus entretenimentos.

Tal situação fez com que o pai se preocupasse muito com sua salvação. Como remédio, resolveu mandar a vaidosa para o convento da Ordem Terceira Regular Franciscana, onde estava sua irmã mais velha, que lá era um exemplo de virtude. Clarice obedeceu de má vontade.

Nessa Ordem tomou o nome de Jacinta. Infelizmente ela não deixou o mundo atrás de si, mas o trouxe para o convento. Julgando as celas das freiras muito pequenas e pobres, mandou construir uma especial para si, de acordo com a sua posição social, e ornou-a com luxo principesco, colocando cortinas, tapetes, objetos de ouro e de prata e mármores. Com tédio e má vontade participava dos atos comuns do convento.

Ora, algum tempo depois, estava passando pelo convento o Pe. Antônio Biochetti, virtuoso sacerdote, muito enérgico e categórico. Foi ele instado a atender a irmã Jacinta, que estava doente. Mas, entrando naquele quarto luxuoso que mais parecia o de um palácio que de um convento, recusou-se a atender a confissão da freira, dizendo que o Paraíso não era feito para os soberbos

Jacinta, desesperada, chorando amargamente perguntou-lhe:

Então, não há mais salvação para mim? Sim – respondeu o religioso – contanto que deixe esses vãos adornos, essas vestimentas suntuosas, e se torne humilde, piedosa, esqueça o mundo e pense só nas coisas do Céu

No dia seguinte, tendo Jacinta trocado sua roupa de seda por um pobre hábito, fez sua confissão geral com tantas lágrimas e gemidos que manifestavam um verdadeiro arrependimento. Depois foi ao refeitório, e  aplicou-se forte disciplina em frente às irmãs, pedindo perdão pelos maus exemplos que lhes havia dado.

Sua conversão foi radical: trocou sua cama por um feixe de lenha tendo uma pedra como travesseiro. Mortificava-se dia e noite, tomando tão ásperas disciplinas, que o piso de sua cela ficava manchado de sangue. Em memória das chagas do Divino Salvador, fez nos pés, mãos e no lado chagas que ela reabria frequentemente, e que só deixou cicatrizar por obediência. Prática esta que, numa vocação especial de penitência, pode-se compreender, embora não seja para ser imitada. Sua alimentação passou a ser pão e água. Durante a Quaresma e o Advento, vivia de verduras e raízes apenas cozidos na água.

A fama de sua virtude ultrapassou os muros do convento, e alastrou-se por toda região, porque Deus a dotou do dom dos milagres e da profecia.

Cidade de ViterboCidade de Viterbo

Santa Jacinta tinha grande devoção à Santíssima Virgem e a São Miguel Arcanjo, que a assistiu várias vezes com seu poder contra os embustes do demônio. Venerava especialmente o santo sacrifício da Missa, vendo nele, como de fato é, a renovação incruenta do sacrifício do Calvário.

Santa Jacinta de Mariscotti entregou sua alma a Deus no dia 30 de janeiro de 1640, sendo canonizada em 1807 pelo Papa Pio VII.

Detalhes do artigo

Autor

Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

2538 artigos

O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira é uma associação de direito privado, pessoa jurídica de fins não econômicos, nos termos do novo Código Civil. O IPCO foi fundado em 8 de dezembro de 2006 por um grupo de discípulos do saudoso líder católico brasileiro, por iniciativa do Eng° Adolpho Lindenberg, seu primo-irmão e um de seus primeiros seguidores, o qual assumiu a presidência da entidade.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados