Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

A vez dos que não tinham voz (II)


Cinco lições tiradas das urnas

Continuamos hoje os comentários sobre a grande mudança operada no Brasil a partir das reações conservadoras de 2013.

Os resultados do Primeiro turno nos trouxeram a confirmação da maior realidade do Brasil nas últimas décadas: chegou a vez dos que não tinham voz.

O tempo em que tudo “terminava em pizza”

Como se sabe, o movimento conservador norte-americano deu seus primeiros passos no fim dos anos 60. De lá para cá, a defesa dos valores morais, a reação antiaborto, as derrotas do Partido Democrata, e, recentemente, a Suprema Corte mais conservadora desde 1934 mostram a pujança, continuidade e vitalidade desse movimento.

No Brasil, os primeiros movimentos de opinião pública contra o PT e a esquerda a partir de 2013 levantaram a interrogação: será que tudo isso não “terminará em pizza?”

As manifestações populares conservadoras subiram de tom e culminaram no impeachment de Dilma Roussef.

O movimento conservador propugnando pela volta dos valores morais se afirmou com uma continuidade surpreendente, a ponto de a esquerda e do falso Centrão serem os grandes derrotados das urnas. Delenda “efeito pizza”.

Conservadores: somos a maior força do País

A mídia de esquerda e as pesquisas de opinião não tendo como esconder a sua face (lembram-se os leitores das enquetes do DATAFOLHA e o alardeado “empate técnico” entre Bolsonaro e Haddad?) procuram novamente desviar a atenção do público da grande lição destas eleições: o ressurgimento conservador e antipestista!

Como na mensagem de Júlio Cesar ao Senado romano, em que ele descreve sua vitória sobre Fárnaces II do Ponto, na Batalha de Zela, a direita conservadora pode dizer: Vim, vi e venci.

Mais adequado seria repetir a frase do Rei João III da Polônia (século XVII), após a Batalha de Viena: “Venimus, Vidimus, Deus Vincit” – Viemos, vimos, Deus venceu.

Força nova dotada de potência

A reação brasileira abrange todas as gerações,embora sua ponta de lança esteja entre pessoas de 18 a 40 anos.

Cai, portanto, outro mito: o conservadorismo e os valores morais não mais pertencem à geração dos avós. São jovens, jovens pais que se levantam contra a impostura da ideologia de gênero (“não mexam com meus filhos”), defendem o Homeschooling e os valores morais.

No artigo intitulado “Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre”, publicado na edição de 17 de agosto do jornal “El País”, Naira Hofmeister desfaz os jargões da esquerda sobre a tendência de nosso eleitorado mais jovem: “Pouco têm em comum com o perfil que institutos de pesquisa desenham dos possíveis eleitores do presidenciável do PSL: eles não são os mais escolarizados (chegaram ao ensino médio), nem ricos e tampouco estão no Norte e Centro-Oeste do país”.

Alteridade e independência diante das pesquisas

Favorecidos pelas redes sociais, os conservadores têm os seus canais de comunicação, meios seguros para estar a par da realidade nacional.

Foi-se o tempo do controle de ferro operado pela mídia de esquerda, das tendenciosas pesquisas de opinião (ainda recentemente falando de empate técnico entre Bolsonaro e Haddad, ou ainda que o PSL perderia em segundo turno até para Marina, que teve 1% de votos!).

Não somos teleguiados: vemos, pensamos, agimos com cabeça própria. Delenda mídia de esquerda!

Não há “imobilismo histórico”

Não somos apenas antipetistas e antiesquerda. Quem quisesse definir o movimento conservador brasileiro apenas pelo lado negativo erraria grosseiramente.

Temos um programa positivo: a reconstrução do Brasil pelos valores morais.

Santo Agostinho ensina em sua obra A Cidade de Deus que a observância dos Mandamentos é o fundamento de uma Nação.

Comenta o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira: “Por força da lei histórica segundo a qual o imobilismo não existe nas coisas terrenas […] quando num organismo se opera uma fratura ou dilaceração, a zona de soldadura ou recomposição apresenta dispositivos de proteção especiais.

“Observa-se isto com os ossos fraturados, cuja soldadura se constitui à maneira de reforço na própria zona de fratura, ou com os tecidos cicatrizados.

“Esta é uma imagem material de fato análogo que se passa na ordem espiritual”.1

Aplicando ao Brasil de 2018, saibamos reforçar os valores morais, conformar nossas leis com a ordem natural posta por Deus na natureza humana. Tradição, família, propriedade, pilares do Brasil de amanhã.

O Cristo Redentor e Nossa Senhora Aparecida nos ajudem nesta obra de reconquista.

____________

(*) https://www.pliniocorreadeoliveira.info/RCR_0202_reacao.htm

Detalhes do artigo

Autor

Marcos Machado

Marcos Machado

477 artigos

Pesquisador e compilador de escritos do Prof. Plinio. Percorreu mais de mil cidades brasileiras tomando contato direto com a população, nas Caravanas da TFP. Participou da recuperação da obra intelectual do fundador da TFP. Ex aluno da Escola de Minas de Ouro Preto.

Categorias

Tags

Esse artigo não tem tag

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados