Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

A caravana do IPCO começou

Incêndio no Museu Nacional: Uma Imagem Simbólica


A figura de Dom Pedro II – o último Imperador, escorraçado do Brasil pelos republicanos, na calada da noite, com a Família Imperial – parece assistir impávida e de costas ao teatro macabro do incêndio que devorou o Palácio de São Cristóvão, no Rio de Janeiro.

Ali, na Quinta do Boa Vista, a 2 de Setembro de 1822, a Imperatriz D. Leopoldina, então Regente, assinou o decreto de independência do Brasil.

Também num 2 de Setembro, precisamente 196 anos depois, um incêndio de causas desconhecidas, devorou a residência da Família Imperial, onde viveram D. Pedro I e D. Leopoldina, onde nasceram a futura Rainha de Portugal, D. Maria II e o futuro imperador do Brasil, D. Pedro II, que ali foi educado e viveu; onde nasceu também a Princesa Isabel, a Redentora.

Museu Nacional antes do incêndio

Testemunha incomparável da História, o Paço de São Cristóvão abrigava um acervo histórico, cultural e científico incalculável, que as labaredas em sua sanha devoradora não pouparam. Objetos de arte e da Antiguidade doados pela Família Imperial, coleção de mineralogia, peças etnográficas e um acervo bibliográfico, com obras raras, mapas, livros, periódicos, etc., a História do Brasil foi queimada nas chamas da incúria.

Como eximir de responsabilidade de tão grande tragédia os homens públicos que em seus imensos desmandos pilharam o Estado, prostituíram suas instituições, aviltaram nossa História, desonraram nossos heróis, vilipendiaram nossa cultura, contaminaram nossas escolas e universidades com as doutrinas pútridas que subvertem a ordem pública, as instituições jurídicas, os valores culturais e familiares?

A dôr, a indignação e a firme determinação de não permitir que estes desmandos prossigam, marcam hoje uma infinidade de corações verdadeiramente brasileiros.

A imagem da figura digna e impávida do último Imperador do Brasil – um Monarca que tão bem soube encarnar a brasilidade, que deu seqüência à grandiosa obra de formação de uma nacionalidade erigida sob a ação benéfica da Cruz – parece ser a consciência histórica do Brasil a censurar os descaminhos de vergonha e destruição a que os homens públicos de hoje conduziram o País. O Palácio de São Cristóvão arde e o Brasil arde com ele.

A Terra de Santa Cruz merece, por certo, um futuro que reate com sua verdadeira história.

Detalhes do artigo

Autor

José Carlos Sepúlveda da Fonseca

José Carlos Sepúlveda da Fonseca

33 artigos

Editor do blog Radar da Mídia.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados