Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Mistérios eclesiásticos no empobrecimento de uma Argentina que clama contra o populismo


Em abril, a Argentina foi um imenso cenário para mais um panelaço convocado por blogueiros contra o governo da presidente Cristina Kirchner. Foi o terceiro em sete meses.

Os políticos opositores, não menos desclassificados aos olhos dos manifestantes, saíram às ruas correndo o risco de passar vergonha. Para eles era tudo ou nada.

O presidente da oposicionista União Cívica Radical (UCR), Mario Barletta, fez um apelo horas antes do panelaço: “Temos de conquistar as ruas para derrotar a corrupção”. Mas a opinião pública argentina acha que a derrota da corrupção passa pelo saneamento de partidos ou de políticos como os da UCR.

O governo está com a popularidade em baixa. Os panelaços cresceram vertiginosamente. Se em 13 de setembro de 2012 cerca de 200 mil pessoas protestaram nas ruas de Buenos Aires, em 8 de novembro do mesmo ano elas eram 700 mil, além de outras 500.000 no resto do país.

Em abril de 2013, só em Buenos Aires protestaram por volta de 1 milhão de pessoas, segundo porta-vozes autorizados da prefeitura daquela capital.

Nas reclamações sobressaíam os pedidos de combate à crescente criminalidade, aos escândalos de corrupção de empresários amigos do casal Kirchner e ao uso abusivo da rede nacional de rádio e TV e da publicidade oficial.

Os líderes da oposição também mobilizaram os militantes que puderam contra a aprovação de uma reforma da Justiça talhada para julgar em favor do esquerdismo kirchnerista. A oposição acusa Cristina de manietar a Justiça, nomeando juízes políticos amigos da camarilha populista.

O governo falsifica de modo desavergonhado as estatísticas. Enquanto o Instituto Nacional de Estatísticas e de Censos (Indec) fala em um índice de pobreza inferior ao da Alemanha, o ministro de Economia não soube responder a uma jornalista da TV grega qual era o índice da inflação.

O mistério da situação argentina tem também um foco quase nunca ressaltado pela imprensa: sua Conferência Episcopal.

Relações ambíguas do esquerdismo político e religioso alvejam as elites tradicionais

De praxe, bispos e padres falam nos púlpitos contra a pobreza e em favor da partilha dos bens dos ricos.

Dos referidos prelados poder-se-ia então aguardar uma censura proporcionada ao empobrecimento induzido pelo governo ao país naturalmente tão rico.

E também ao enriquecimento desonesto de altos membros do governo, clamorosamente divulgado pela imprensa.

Mas, não!

Os elogios ditirâmbicos da partilha e da solidariedade se transformam em insinuantes aríetes contra as elites tradicionais e as categorias sociais que com seu trabalho sustentam e enriquecem o país.

Essas elites e as categorias análogas acabam sendo apontadas astuciosamente como réus do crime supremo da desigualdade social e econômica!

E as desastrosos efeitos socializantes do populismo kirchnerista é deixado num segundo lugar!

Detalhes do artigo

Autor

Luis Dufaur

Luis Dufaur

1043 artigos

Escritor, jornalista, conferencista de política internacional no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, webmaster de diversos blogs.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados