Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

A caravana do IPCO começou

Brado de alarme que gera esperanças

Publicação da TFP sobre o Sínodo desencadeia discussões intensas na Igreja, revelando descontentamento e preocupação com os rumos do evento.


Brado de alarme que gera esperanças

Papa Francisco respondendo pergunta de Antonio Pelayo

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 874, Outubro/2023

Santo Padre, este Sínodo desperta muito interesse. Infelizmente, também provoca muitas críticas. Quero me referir a um livro com o prólogo do Cardeal Burke que diz que o Sínodo será a caixa de Pandora da qual sairão todas as calamidades para a Igreja. O que acha dessa posição? Acredita que será ultrapassado pela realidade ou condicionará o Sínodo?
Antonio Pelayo sobre livro do IPCO

A pergunta, feita ao Papa Francisco pelo conhecido jornalista e sacerdote espanhol Antonio Pelayo durante o voo de regresso da Mongólia, referia-se ao livro recentemente publicado pela TFP e associações irmãs: O caminho sinodal, uma caixa de Pandora — 100 perguntas e 100 respostas. Escrito por José Antonio Ureta e por mim, o livro explica de forma simples e direta o que está em jogo no próximo “Sínodo sobre a sinodalidade” convocado pelo Papa Francisco em Roma. Há um plano em curso para reformar a Santa Madre Igreja que poderá desfigurar a sua constituição divina e derrubar o seu Magistério.

A pergunta do padre Pelayo — um veterano correspondente que há mais de três décadas cobre questões eclesiásticas em Roma para vários jornais espanhóis — mostra a preocupação de muitos promotores da chamada “conversão sinodal da Igreja”: o livro da TFP influenciará esse processo?

A julgar pela infinidade de notícias e comentários que surgiram por todo o mundo já na primeira semana, bem como pelas inúmeras reações que os autores receberam e pelas dezenas de convites para participar em programas de rádio e televisão, podemos afirmar com segurança: o livro já começou a influenciar o Sínodo. A troca de palavras no avião papal o confirma. Francisco, de fato, deu uma resposta evasiva, exortando “a não ter medo de uma mudança na doutrina”. Se você continuar, na raiz dessas ideias você encontrará ideologias”. Segundo o Pontífice, os críticos do Sínodo “acusam a Igreja disto ou daquilo, mas nunca a acusam daquilo que é verdadeiro: pecaminoso. Nunca dizem que ela é pecadora…”[1]

Publicado em oito idiomas, o livro da TFP alcançou imediatamente a categoria de best-seller nas plataformas online. A Amazon o coloca em primeiro lugar na categoria “Papas e Vaticano”. Foi enviado a todos os bispos do mundo e aos párocos de vários países. Foi encaminhado à mídia acadêmica, religiosa e secular. Muitos dos principais meios de comunicação internacionais têm falado sobre isso: do New York Times ao Washington Post e Repubblica. Quase todos os principais blogs católicos o revisaram. Sem falar nas redes sociais, que estão repletas de comentários sobre o assunto. É claro que o livro tocou um ponto nevrálgico, um anseio oculto na opinião pública que encontrou assim a sua saída, entrando em erupção como um vulcão.

Sob o título “Um Sínodo fraudado. Aqui está ‘Processo sinodal: uma caixa de Pandora’. Um livro para entender”, o conhecido correspondente do Vaticano Aldo Maria Valli informava: “Um livro muito útil sobre o próximo sínodo chega por iniciativa da TFP, a associação Tradição, Família, Propriedade”.[2] Outro correspondente do Vaticano, Marco Tosatti, comunicou aos seus leitores: “Roma: publicado livro importante sobre o Sínodo”.[3] Muitas agências católicas italianas divulgaram a notícia, incluindo Corrispondenza Romana, Messa in Latino e Nuova Bussola Quotidiana, bem como a imprensa secular, incluindo os jornais do grupo Quotidiano Nazionale.

No mundo anglo-saxão o livro foi recebido com entusiasmo.

“O Cardeal Burke lança uma bomba sobre o Sínodo”, foi a manchete do The Catholic Herald, o principal semanário católico britânico. Escrito por Diane Montagna, o artigo observou apropriadamente: “O lançamento do livro ocorre em meio à crescente resistência da mídia. Em 14 de agosto, o jornal francês Le Figaro publicou um longo e contundente artigo de primeira página do respeitado jornalista Jean-Marie Guénois, acusando o Vaticano de avançar sem considerar verdadeiramente a espiritualidade dos católicos franceses”.[4]

“Um novo livro alerta contra o risco de uma revolução por ocasião do Sínodo”, escreveu o especialista vaticano Edward Pentin no National Catholic Register, o periódico católico mais antigo dos Estados Unidos, agora parte da EWTN, o maior grupo jornalístico católico do mundo. “Os autores — diz Pentin — procuram defender a civilização cristã, ameaçada pela descristianização”.[5] Por sua vez, escrevendo no Church Militant, o correspondente vaticanista Jules Gomes advertiu: “Um livro bombástico confronta a ‘revolução’ que tenta demolir a Igreja Católica”.[6]“O termo ‘sinodalidade’ significa ‘revolução’ na Igreja, adverte o Cardeal Burke”, afirmou a agência alemã CNA.[7]

O descontentamento da esquerda não poderia passar despercebido. A peça de Iacopo Scaramuzzi na Repubblica — ou seja, o órgão escolhido pelo Papa Francisco para propagar as suas ideias quando Eugenio Scalfari era diretor do jornal — é indicativa: “Panfleto ultraconservador ataca o Sínodo: eles querem revolucionar a Igreja”. Advertindo que “os católicos ultraconservadores estão afiando as suas armas em vista da assembleia sinodal de outono”.

Scaramuzzi escreve: “O panfleto, intitulado ‘Processo sinodal: uma caixa de Pandora’ foi publicado pela associação ‘Tradição Família e Propriedade’, uma velha conhecida no Vaticano”.

Austen Invereigh, biógrafa do Papa Francisco, recorreu ao Twitter para denunciar o “canhão anti-Sínodo” do Cardeal Burke em relação ao livro da TFP. E Famille Chrétienne, a versão francesa do semanário italiano Famiglia Cristiana, também publicou um longo artigo.[8]

É impossível listar todas as notícias publicadas. Elas são literalmente centenas. De Washington a Londres, de Buenos Aires a Paris, de Manila a Dubai, e particularmente na Itália, o livro sobre o processo sinodal está obtendo um sucesso que surpreendeu um pouco a todos. Qual é a razão de tal boom? Um artigo de Nico Spuntoni em Il Giornale pode lançar alguma luz.

Sob o título “O Sínodo dos medos: ares de cisma na Igreja de Francisco?”, Spuntoni escreve: “Quanto mais nos aproximamos do início da primeira sessão da XVI assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, que durará de 4 a 29 de outubro de 2023, mais aumentam as tensões na Igreja. […] Na verdade, pouco mais de um mês após o início, outros prelados começaram a expressar os seus receios sobre o que poderia acontecer na Igreja depois da assembleia”.[9]

         Coincidência ou não, o livro da TFP parece ter aberto não uma caixa de Pandora, mas uma cornucópia, trazendo à tona sentimentos muito profundos do Povo de Deus (o verdadeiro), e dando coragem a muitos fiéis. Quase poderíamos falar, num sentido teológico, de um momento de graça verdadeiramente propício.

O livro Caminho sinodal, uma caixa de Pandora não pretendeu apresentar doutrina nova ou expor as ideias dos autores, mas sim relembrar a doutrina tradicional da Igreja sobre os temas nele tratados. Por outro lado, baseia-se exclusivamente nos documentos oficiais do Sínodo dos Bispos e da Comissão Teológica Internacional, bem como em comentários autorizados de cardeais e bispos. Por fim, o livro trata de fatos conhecidos de todos e bem documentados.

Neste sentido, o livro da TFP não pode de forma alguma ser tachado de “ideológico” sem antes especificar claramente:

– onde as doutrinas católicas invocadas estão erradas;

– onde os fatos concretos citados e documentados são falsificados;

– quais comentários de cardeais, bispos, padres e estudiosos não correspondem à verdade.

O espírito do livro é o do amor reverente à Santa Igreja, e obedece ao convite à “parresia” formulado diversas vezes pelo Papa Francisco. Não entendemos por que falar com serenidade, franqueza e respeito, baseado em documentos oficiais e fatos comprovados, seria uma manobra ideológica.

Muitos comentadores, com efeito, destacaram o tom sereno do livro e a sua clara intenção de ser sempre respeitoso e reverente para com a autoridade da Igreja. Por que então certas reações? Formulemos uma hipótese.

O fato é que, com a crescente difusão deste livro e de outros estudos e declarações semelhantes, fica cada vez mais claro aos olhos da opinião pública que grande parte do “Povo de Deus” também não se sente adequadamente representada nem no modo burocrático do processo sinodal nem em muitas das propostas por ele apresentadas.

O número de pessoas efetivamente consultadas para a preparação dos documentos sinodais é insignificante. Em muitos casos não ultrapassa 2% de católicos praticantes. É claro que o Sínodo sobre a sinodalidade é quase exclusivamente obra de minorias muitas vezes radicais. No entanto, elas afirmam falar por todos. Dizem que devemos “caminhar juntos”, mas a verdade é que muitas pessoas nem sequer foram informadas desta “caminhada”…

Além disso, parte significativa da opinião pública católica começa a mostrar preocupação pelo fato de a invocação do Espírito Santo estar sendo demasiadamente utilizada como força motriz do processo sinodal. Por trás desta invocação, quase como se fosse uma voz conclusiva e inapelável, parece haver uma pressa excessiva das minorias progressistas em impor algumas questões amplamente discutíveis, e outras já definitivamente encerradas pelo Magistério da Igreja.

Se acrescentarmos a isto a linguagem muitas vezes hermética dos documentos sinodais, compreensível apenas pelos especialistas, podemos compreender como o verdadeiro Povo de Deus se sente “perdido, confuso, perplexo e até desiludido”, parafraseando João Paulo II.[10]

É precisamente esta situação, confusa e aparentemente inexplicável, que foi publicada no livro da TFP, Caminho sinodal, uma caixa de Pandora.

Explicando de forma simples e direta o que está em jogo, o livro colocou em ordem os fragmentos de um quebra-cabeça, deixando claro que nas intenções dos seus promotores mais açodados o processo sinodal não é transparente nem espontâneo, mas apenas uma enésima tentativa de revolução na Igreja. Sentindo-se enganados, muitos fiéis começaram a erguer a voz. E aqui “começamos a explicitar os temores pelo que poderia acontecer na Igreja depois da assembleia”.[11]

O futuro está nas mãos de Deus pela mediação universal de Maria Santíssima. Uma coisa, porém, é certa: qualquer tentativa de mudar a Igreja na sua constituição divina ou na sua doutrina infalível é irremediavelmente utópica, pois a Igreja foi fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo e as portas do inferno não prevalecerão contra Ela.

Notas

  1. Trecho do vídeo oficial divulgado pelo Vaticano.
  2. Duc in Altum, 21 de agosto de 2023.
  3. Stilum Curiae, 22 de agosto de 2023.
  4. Diane Montagna, “O Cardeal Burke lança uma bomba sobre o Sínodo da ‘ideologia’ e do ‘cisma’”, The Catholic Herald, 22 de agosto de 2023.
  5. Edward Pentin, “Novo livro alerta sobre ameaça ‘revolucionária’ colocada pelo Sínodo sobre a sinodalidade”, National Catholic Register-EWTN, 23 de agosto de 2023.
  6. Jules Gomes, “Livro-bomba explode ‘revolução’ que busca demolir a Igreja Católica”, Church Militant, 22 de agosto de 2023.
  7. Redação Alemã da CNA, “O termo sinodalidade representa revolução na Igreja, alerta o Cardeal Burke”, CNA, 23 de agosto de 2023.
  8. “O cardeal Burke critica o Sínodo sobre o futuro da Igreja”, Famille Chrétienne, 23 de agosto de 2023.
  9. Nico Spuntoni, “O Sínodo dos medos: ares de cisma na Igreja de Francisco?”, Il Giornale, 27 de agosto de 2023.
  10. Discurso aos religiosos e sacerdotes participantes na primeira conferência nacional italiana sobre o tema das Missões ao Povo para os anos 1980, em 6 de fevereiro de 1981, em Ensinamentos de João Paulo II, Editrice Vaticana, vol. IV, 1, pág. 235.
  11. Nico Spuntoni, “O Sínodo dos medos: ares de cisma na Igreja de Francisco?”, Il Giornale, 27 de agosto de 2023.

Detalhes do artigo

Autor

Julio Loredo

Julio Loredo

14 artigos

Presidente da Sociedade Italiana para a Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) é um orador, escritor e jornalista católico de renome e autor do best-seller "Teologia da Libertação - Um salva-vidas de chumbo para os pobres, uma refutação-denúncia da Teologia da Libertação. Atualmente reside em Milão.

Categorias

Tags

Comentário em alta

Invalid Date

Comentários

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados