Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

Meditação de Natal: Hoje na Terra cantam os Anjos (IV)


No ensejo de ajudar nossos leitores às reflexões sobre o nascimento do Messias, sua obra salvífica, e sua consequente repercussão na vida dos povos — dulcificando, cristianizando, civlizando, ensinando e corrigindo — publicamos esse artigo do Prof. Plinio sobre o Natal.

Meditações de Natal podem ser acessadas em nossos anteriores Posts. https://ipco.org.br/meditacao-de-natal-em-belem-o-germen-da-civilizacao-crista-iii/

Anjo Gabriel – Igreja de Saint-Pierre de Chauvigny

“Hoje na terra cantam os Anjos, rejubilam os Arcanjos, hoje exultam os justos” 

[Antífona das segundas vésperas do Natal]

***

“Na Liturgia, a festa do Natal ocupa certamente um lugar considerável. Não, porém, dos de primeira grandeza. Páscoa e Pentecostes, por exemplo, têm rito duplex de 1ª classe, com oitava privilegiada de 1ª ordem; ao passo que o Natal é uma festa duplex de 1ª classe, com oitava privilegiada de 3ª ordem. Entretanto, a piedade dos fiéis dela faz uma das datas mais relevantes do ano. E isto por várias razões.

*   *   *

Uma honra infinita para o gênero humano

“O nascimento do Salvador constituiu em si mesmo uma honra de infinito valor para o gênero humano. Poderia o Verbo de Deus unir hipostaticamente a Si algum dos Anjos mais santos e rútilos das alturas celestes. Pelo contrário, preferiu ser homem, fazer-se carne, pertencer por sua humanidade à descendência de Adão. Dom absolutamente gratuito, nobilitação, para nós, de um valor inefável, ponto de partida histórico, para nós, de outros dons, também eles insondáveis.

*   *   *

Assim, na previsão de que o Verbo se encarnaria, já a Providência criara um ser que continha em si perfeições maiores que as de todo o universo reunido, e para ele suspendera a sucessão hereditária do pecado original. Dos méritos previstos da Redenção, se alimentara a virtude de todos os justos da antiga lei. Mas essa multidão de eleitos estava sentada “às portas da morte” ( Sl. 106, 18 ), à espera de que se imolasse por todos nós o Cordeiro de Deus.

*   *   *

O Mundo Antigo vivia um epílogo

“E não eram só eles que esperavam parados. Por assim dizer, parada numa muda expectativa estava toda a história. No momento em que Jesus Cristo nasceu, o mundo conhecido vivia num período de epílogo. Florescera o Egito e, chegado a uma certa culminância, ruíra. O mesmo se podia dizer dos outros povos, caldeus, persas, fenícios, citas, gregos e tantos mais. Por fim, os romanos estavam também a ponto de entrar no longo ocaso que, com períodos de decadência rápida, de estagnação mais ou menos prolongada, de efêmera reação, conduziu de Augusto a seu remoto sucessor e seu miserável homônimo, Rômulo Augustulo.

Todos estes impérios tinham subido suficientemente alto para atestar a profundidade e a variedade dos talentos e capacidades dos respectivos povos. Mas o nível mais ou menos igual a que todos se haviam alçado não estava à altura das aspirações das almas verdadeiramente nobres. Dir-se-ia que essas magníficas civilizações haviam deixado patente, não tanto o que tinham, mas o que lhes faltava, e a incurável incapacidade do talento, da riqueza e da força dos homens, para construir um mundo digno deles.

*   *   *

Tudo isto constituía na Ásia, como na África ou na Europa, uma atmosfera irrespirável, que acrescia o tormento dos escravos em sua vida já tão miserável, e minava secretamente os lazeres e os deleites dos ricos. Opressão imponderável mas onipresente, impalpável mas evidente, indescritível mas muito definida. O curso da história encalhara num lodaçal de corrupção, cheio dos escombros do passado, no qual só as formas doentias de vida ainda se patenteavam. Assim, no terreno político, um fim de luta entre duas expressões de demagogia: anárquica e arruaceira, ou militar e despótica. No terreno cultural, o cepticismo religioso, a devorar as idolatrias antigas. No terreno internacional, as várias pátrias acabando de se deteriorar no recipiente do Império, para constituir esse moloch cosmopolita anorgânico em que Roma se transformou. No terreno moral, a depravação dos costumes dominando a existência cotidiana. No terreno social, o ouro arvorado em valor supremo. Para os bem-instalados, as coisas corriam aprazivelmente, na aparência. Mas em épocas tais, os bem-instalados são habitualmente a vasa moral e intelectual do país. E padecem, exatamente os melhores, os mil tormentos das situações imerecidas e inadequadas.

*   *   *

O Povo Eleito às vésperas da Encarnação do Verbo

“Haja vista o quadro do povo eleito, no momento em que o Verbo se encarnou. Herodes cingira o diadema de Rei. De foto era, porém, um celerado, dos piores do reino, medíocre, cúpido, cruel, consciente instrumento do opressor para iludir os judeus com as aparências de uma realeza vã. Os sacerdotes eram, no que diz respeito ao espírito de fé, à sinceridade e ao desprendimento, a ralé da Sinagoga. A casa real de David vivia desprezada e na maior obscuridade. Os justos eram os “marginais” dessa ordem de coisas tão fundamentalmente má que acabou por excluir de si e matar o Justo. Então, o que mais? Era o fim.

Pois foi nas trevas deste fim que, quando menos se pensava, e onde menos se esperava, uma luz muito pura se acendeu. Nesta luz havia o anúncio da hora da Encarnação, a promessa implícita da Redenção tão esperada, e da nova era que começou para o mundo com o incêndio de Pentecostes. É o esplendor desta luz inaugurando nas trevas uma aurora que triunfalmente se transformou em dia, é o cântico de surpresa e esperança diante dessa renovação sobrenatural, o anelo e o antegosto de uma ordem nova baseada na fé e na virtude, que os fiéis de todos os séculos se comprazem em considerar, quando seus olhos se detêm no Menino-Deus, deitado na manjedoura, a sorrir enternecido para a Virgem-Mãe e seu castíssimo Esposo.

A Luz brilhou nas Trevas

“Também hoje, uma imensa opressão pesa sobre nós. É inútil tentar disfarçar a gravidade da hora, pondo em ação as castanholas e os pandeiros de um otimismo já agora sem repercussão. Com a única diferença de que temos em nossos dias a Santa Igreja, a situação do mundo é terrivelmente parecida com a do tempo em que ocorreu o primeiro Natal.

Também entre nós, o comunismo marca um fim. É o epílogo da decadência religiosa e moral iniciada com o protestantismo no século XVI. Nesse epílogo se esvai o mundo burguês, cada vez mais intoxicado de sincretismo, socialismo e sensualidade. E, como se isto não bastasse, a Rússia acelera este processo de decadência, difundindo seus erros em todos os países.

Temos entre nos a Igreja, é verdade. Mas essa augusta e sobrenatural presença não salva senão na medida em que os homens lhe aceitam a influência. Se a repelem, estão por alguns aspectos mais expostos ao castigo do que os próprios pagãos. Os judeus tiveram entre eles o Homem-Deus. Rejeitaram-no e foram punidos por uma ruína mais terrível e muito mais próxima que a dos romanos.

Ora, qual é a situação da Igreja em nossos dias? Temos vontade de sorrir, e mais ainda de chorar, quando alguém nos diz pura e simplesmente que é boa.

É claro que, por alguns lados, essa situação pode ser dita boa. Mais ou menos como se poderia dizer no Domingo de Ramos que era grande o entusiasmo dos judeus para com Nosso Senhor.

Mas dizer que a situação da Igreja é boa hoje em dia, no conjunto de seus aspectos, e tomados na devida conta os fatores positivos e negativos, há nisto uma afronta à verdade.

Com efeito, só é boa para a Igreja a situação em que a cultura, as leis, as instituições, a vida doméstica e cotidiana dos particulares são conformes à Lei de Deus. Que tal não se dá hoje, nada é mais notório. Então, por que tapar o sol com uma peneira?

Que os bem-instalados possam desejar a duração desta lenta agonia, é compreensível. Também os micróbios, se pudessem pensar, prefeririam matar lentamente sua vítima, pois a agonia desta é a opulência deles e a morte dela será morte para eles também. Indivíduos que em geral não têm mérito para estar onde os ventos do caos os levaram, têm todas as razões para desejar que não volte a ordem: pois neste caso voltariam ao pó.

Mas eles próprios não podem escapar ao mal-estar profundo do momento que passa, e não podem deixar de estremecer com os relâmpagos que se desprendem, sempre mais freqüentes, da atmosfera saturada.

A luz de Fátima

“No alto, porém, dessa montanha sagrada que é a Igreja, coroada pelo diadema régio com que lhe cingiu a fronte o Legado [pontifício] – tão querido dos brasileiros – que a piedade do imortal Pio XII para este ato constituiu, ergue-se a imagem maternal e melancólica de Nossa Senhora de Fátima.

E de lá partem para o mundo opresso as claridades de esperança que lhe veio trazer a Rainha do Universo, claridades que suscitam entre nós esperanças análogas às que a Boa Nova despertou na humanidade antiga. Análogas é dizer pouco. São claridades que brotam da Igreja, e, pois, de Jesus Cristo. Claridades que simplesmente prolongam e reafirmam as da primeira noite de Natal.

Por fim meu Imaculado Coração triunfará“, disse a Virgem em sua terceira aparição na Cova da Iria.

Oh neopaganismo, mil vezes pior que o paganismo antigo, teus dias estão contados. Cairá o poderio soviético, e ruirá também a influência da Revolução no Ocidente. Nossa Senhora o disse. E diante d’Ela são impotentes todos os grandes da terra e todos os príncipes das trevas.

O Triunfo do Imaculado Coração de Maria, o que pode ser, senão o Reinado da Santíssima Virgem, previsto por São Luis Maria Grignion de Montfort? E esse Reinado, o que pode ser, senão aquela era de virtude em que a humanidade, reconciliada com Deus, no regaço da Igreja, viverá na terra segundo a Lei, preparando-se para as glórias do Céu?

Neste conturbado ano de 1957, não pensemos em “sputniks” nem em bombas de hidrogênio, na noite de Natal, senão para confirmar nossa convicção de que Jesus Cristo venceu para todo o sempre o demônio, o mundo e a carne, e prepara dias da mais alta glória para sua Mãe Imaculada, que resplandecerão depois de provas terríveis.”

***

Estamos em 2022, o Brasil passa, certamente, uma das maiores crises e talvez seja a mais decisiva de sua História. Confiemos na Santíssima Virgem, na sua promessa de Fátima: “Por fim o meu Imaculado Coração Triunfará!”

O Cristo Redentor, Nossa Senhora Aparecida a quem dirigimos nossas súplicas, salvem a Terra de Santa Cruz e nos levem à realização de nossa providencial missão.

https://www.pliniocorreadeoliveira.info/1957_084_CAT_Hodie_in_Terra.htm

Detalhes do artigo

Autor

Nuno Alvares

Nuno Alvares

401 artigos

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados