Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Militantes anarquistas e LGBT atacam católicos em cidades italianas


sentinelle-in-piedi-tempi-copertina

Centenas de pessoas que se manifestavam em silêncio pela família foram agredidas verbal e fisicamente por militantes da agenda homossexual e agitadores anarquistas em diversas cidades da Itália noticiou a agência  LifeSiteNews.

O fato se repetiu nas cidades de Bolonha, Turim, Gênova, Aosta e Rovereto. Os católicos manifestavam segundo o método dos “Sentinelle in Piedi” (sentinelas de pé), popularizado na França na onda das “Manif pour tous” contra o “casamento” homossexual e a agenda socialista pró-LGBT.

Bologna: violências, insultos, agressões. A estrema esquerda
Bologna: violências, insultos, agressões. A estrema esquerda
e a agenda LGBT parecem não ter outros argumentos

Essas manifestações aconteceram em 100 cidades italianas com a participação de 10.000 pessoas.

Em Rovereto, no Norte, apesar de a manifestação contar com a aprovação das autoridades, os partidários da agenda LGBT, após diversas provocações de tom anarquista, atacaram com socos e pontapés, mandando para o hospital o Pe. Matteo Graziola e uma moça não identificada.

Em Bolonha, análogo ataque foi protagonizado pela organização nacional homossexual Arcigay, cujos membros insultaram, cuspiram, jogaram garrafas e lixo, inclusive com risco para as crianças presentes.

De modo incompreensível, a polícia removeu os manifestantes pacíficos pela família. Mas ela própria acabou sendo atacada pelos militantes LGBT, que romperam as barreiras.

“Sentinelle in Piedi” manifestam em silêncio pela família, em Cremona.
“Sentinelle in Piedi” manifestam em silêncio pela família, em Cremona.

Estes levavam bandeiras do Partido de Refundação Comunista e da Juventude Comunista.

Cenas semelhantes aconteceram em Turim e Aosta.

Em Gênova, os ativistas LGBT atacaram até com cães um grupo de ‘Sentinelas’ que ouviam em silêncio a leitura de um livro na Piazza De Ferrari.

O ato, que havia sido convocado “pela família e pela liberdade de expressão”, também foi perturbado com mímicas e palavreados de tipo erótico, insultos, gritos e bombas de gás.

O movimento dos ‘Sentinelas’ não está ligado a nenhum partido ou organização e nasceu durante manifestações de protesto contra um projeto de lei “anti-homofobia” de caráter repressivo e anticatólico.

Os ‘Sentinelas’ “observam a sociedade” e “denunciam qualquer tentativa de destruir a humanidade e a civilização”, manifestam-se silenciosamente de pé, e visam a “proteção da família natural baseada na união de um homem e uma mulher”, explica o grupo.

Toni Brandi, um dos organizadores do movimento, contou que o movimento homossexual está ficando cada vez mais agressivo e lamentou que a polícia não protegeu devidamente os manifestantes pacíficos contra a violência LGBT.

Brandi disse que a associação “Juristas pela Vida” prepara um arrazoado para o Ministério da Justiça.

“Sentinelle in Piedi” diante do famoso Pantheon, Roma
“Sentinelle in Piedi” diante do famoso Pantheon, Roma

“Eles nos ameaçam, nos atacam, nós não reagimos, somos obrigados a interromper nossa manifestação, a polícia não intervém, nada faz durante os ataques.

“Mas imagine se por acaso um de nós fizer algum mal a uma lésbica, ele seria imediatamente preso”, disse Brandi.

Brandi apontou as semelhanças com os anos 70, quando a esquerda promovia badernas e a mídia lhe dava cobertura. Ele qualificou as provocações anarquistas, comunistas e homossexuais contra os ‘Sentinelas’ de obra de “ativistas profissionais”.

“Você pode ter certeza de que se um de nós reagir será preso. Esses grupos são ricos, têm as costas bem quentes, sólidos suportes no governo, na União Europeia e no Conselho da Europa”, acrescentou.

Porém, os ‘Sentinelas’ não dão sinal de arrefecer. As provocações reforçam neles a certeza de que estão defendendo direitos realmente importantes para a família e a civilização, que a extrema esquerda quer destruir.

Agressões gratuitas, golpes, insultos. Extrema-esquerda e agenda LGBT agindo em Bologna contra simples populares pacíficos, mal defendidos pela polícia.

Detalhes do artigo

Autor

Luis Dufaur

Luis Dufaur

1043 artigos

Escritor, jornalista, conferencista de política internacional no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, webmaster de diversos blogs.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados