Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

O culto de todos os santos


“O culto de todos os Santos envolve o culto a todas as almas que estão no céu, ainda que sejam almas não canonizadas, porque em algum sentido da palavra, qualquer alma que esteja no céu, que se tenha salvo, é uma alma santa. Ela está na presença de Deus, vê Deus face a face e agrada a Deus inteiramente e naturalmente o número de pessoas que estão no céu é um número incontável.

“Com isto a Igreja não tem possibilidade não só de cultuar adequadamente todos os Santos que ela canonizou, mas, sobretudo, de cultuar um número enorme de almas que estão no céu e às quais não se pode prestar um culto regular, porque de fato não se sabe se elas estão salvas ou não, mas [espera-se] que gozem da presença de Deus.

“Por todas estas almas nós temos razões para rezar, nós temos razões para pedir a proteção delas, mas há, naturalmente, algumas almas que têm conosco uma relação especial e que, se bem que não nos tenham conhecido nesta vida, nem nós as conheçamos, por esta relação que têm conosco, evidentemente são intercessoras junto [a Deus por] nós. Vale a pena neste dia a gente se recomendar a estas almas.

“Quais são estas almas? Antes de tudo e de mais nada, as almas que pertenceram à mesma família espiritual que nós, ou do gênero das nossas. Quanto cruzado morreu lutando na Terra Santa, quanto cruzado morreu lutando na Espanha e em Portugal pela Reconquista, quanto cruzado morreu lutando pela subjugação dos povos pagãos do norte da Europa!

“São almas irmãs das nossas, porque nós compreendemos, como elas compreenderam, uma luz especial, um esplendor que há em colocar a força a serviço da fé e em apresentar o triunfo da fé baseado num braço forte, num ânimo aguerrido, numa disposição de sacrificar a vida, de sacrificar tudo para obter a vitória da Igreja.

“As almas que morreram na Vandéia, as almas que morreram na insurreição carlista, os sanfedistas que lutaram contra a Revolução no sul de Nápoles, os zuavos pontifícios que há cem anos atrás lutavam heroicamente para impedir que os Estados Pontifícios caíssem nas mãos dos garibaldinos, os carlistas, os cristeros e quantos outros, são almas irmãs das nossas. Eles se encontram no céu, eles rezam por nós especialmente, como nós no céu, quando lá estivermos, vamos combater e rezar especialmente por aqueles que combaterem a Revolução na terra.

“D. Vital Maria Gonçalves de Oliveira, glorioso antecessor de um infeliz D. Helder Câmara na sede de Olinda e Recife, é uma alma que lutou contra a Maçonaria, é uma alma irmã da nossa; Mons. Delassus, que escreveu “La Conjuration Anti-Chrétiène”; quantos homens passaram a vida inteira lutando, por amor à Deus, contra a maçonaria e foram perseguidos, ou opressos, estraçalhados, às vezes assassinados: todos estes são almas irmãs das nossas. O céu está cheio de almas assim, irmãs das nossas, e nós nos devemos voltar para elas especialmente.

“Nós não podemos esquecer nas nossas orações dos membros do Grupo que já estão no céu e que nos precederam.

“Todas estas são almas que hoje, o dia de todos os Santos, nós cultuamos. Não é para o dia dos defuntos: no dia dos defuntos [nós nos lembramos] das almas que a gente acha que estão no purgatório. Amanhã, se houver ocasião, falarei… ou depois de amanhã falaremos à respeito do purgatório.

“Estas são almas que estão no céu: a elas nós nos devemos confiar. Isto tudo são as orações [com as quais] nós devemos recorrer nesta ocasião. Nós devemos, então, pedir, amanhã, no dia de todos os Santos, que estas almas zelem por nós e que nos levem para o céu.

“Santa Teresinha do Menino Jesus tinha um culto muito bonito para os irmãos dela mortos batizados, mas antes da idade da razão. Ela dizia que eram os santos da família dela: a família dela iria produzir uma santa muito maior do que tudo isto, mas eram santos da família dela.

“Todos nós temos em nossas famílias pessoas que morreram assim, em idade prematura, e que realmente têm esta graça: são batizados e vão diretamente para o céu sem terem sofrido. Para todos estes nós devemos rezar e rezar muito: são os santos que, amanhã, a Igreja cultua.”

https://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_SD_701031_OCultoatodososSantos.htm#.YX9Ywp7MKMo

Detalhes do artigo

Autor

Plinio Corrêa de Oliveira

Plinio Corrêa de Oliveira

550 artigos

Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados