Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

Ambientalistas e socialistas trabalham para que a Espanha não atinja independência energética


Mapa das jazidas não-convencionais espanholas
Mapa das jazidas não-convencionais espanholas

A Espanha identificou recursos de gás de xisto suficientes para atender às suas necessidades energéticas durante 39 anos. Atualmente o país importa quase 99% do que consome, segundo informou o jornal madrilense “El País”.

Porém, esse gás só pode ser aproveitado utilizando-se a conhecida e rentável tecnologia moderna de fragmentação hidráulica ou fracking.

O Conselho Superior de Engenheiros de Minas da Espanha apresentou relatório ao governo garantindo tratar-se de uma técnica segura, respeitadora dos critérios de segurança, que são basicamente os mesmos da mineração em todos os seus aspectos.

O alto órgão da mineração espanhola recomendou a exploração visando à independência energética e à criação de empregos e riqueza.

Como funciona a fragmentação hidráulica
Como funciona a fragmentação hidráulica

“Não podemos perder esta oportunidade para assimilar as novas tecnologias”, defendeu o catedrático Ángel Cámara, um dos coautores do relatório.

Apesar das ótimas perspectivas e dos investimentos em prospecção já realizados, a produção está virtualmente bloqueada por insensatas alegações apresentadas pelos ambientalistas.

Eles exigem análises de impacto ambiental que só visam atrasar o progresso.

Nas ruas, o fracking é objeto de pequenos protestos de grupos ecologistas agigantados pela mídia.

O relatório científico exemplifica com o sucesso do método nos EUA, onde ele dinamiza a economia e cria empregos – dos quais a Espanha e a UE estão tão necessitadas –, além de fornecer gás 20% mais barato do preço hoje pago.

“Com a tecnologia e os controles adequados, (…) o risco é similar ao de qualquer outra indústria de extração ou transformação”, diz o catedrático Fernando Pendás, outro coautor do relatório.

O governo, que lida com grave crise econômica nacional, tende a aprovar o fracking e favorece um projeto de lei nesse sentido.

Porém, trabalhados por grupelhos ambientalistas fanáticos e partidos da extrema esquerda, cerca de 500 prefeituras de Cantábria, Castilla e León manifestaram “preocupação” pelo impacto sobre o meio ambiente e “a saúde dos moradores”.

3ª edição já à venda

Num momento em que a economia espanhola beira o abismo, o disparate só faz sentido do ponto de vista ideológico anticapitalista febril.

Para o jornal socialista “El País”, a técnica de fragmentação hidráulica converterá a Espanha numa espécie de queijo gruyère.

Para outros, é uma oportunidade de ouro para emular a Dakota do Norte (EUA), estado americano líder no aproveitamento desse recurso natural.

Um documentário aterrorizador apoia a campanha antiprogresso com imagens de alto impacto emotivo, mas de desconhecido fundamento científico.

“Geologicamente somos como a Dakota do Norte”, explicou um especialista citado por “El País”.

Tratar-se-ia de aumentar a prospecção para ampliar o conhecimento de jazidas aproveitáveis.

A associação verde Aciep alega que “a sociedade civil [que não está informada] rechaça esta prática [fracking] porque contribui para a mudança climática [que não existe] e tem gravíssimo impacto ambiental [negado pelos cientistas]”.

Slogans e métodos de protesta importados dos EUA
Slogans e métodos de protesto importados dos EUA

Confundido, adiando, bloqueando, “verdes” ambientalistas e “vermelhos” socialo-comunistas trabalham de diversas maneiras para derrubar a ordem social e econômica na Espanha.

Detalhes do artigo

Autor

Luis Dufaur

Luis Dufaur

1043 artigos

Escritor, jornalista, conferencista de política internacional no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, webmaster de diversos blogs.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados