Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

Fanáticos islâmicos aspiram conquistar a Europa e o mundo


Abu Bakr al Baghdadi, chefe do 'califado' islamico que vem massacrando os cristãos na Síria e no Iraque
Abu Bakr al-Baghdadi, chefe do ‘califado’ islâmico que vem massacrando os cristãos na Síria e no Iraque.

Da Síria, falando perfeito espanhol e árabe, dois extremistas islâmicos postaram uma mensagem reveladora dos intuitos conquistadores do fundamentalismo hodierno.

Deitado num sofá, um fanático ameaça: “Em nome de Alá. Estamos em Terra Santa e eu digo ao mundo todo e aviso: estamos sob a bandeira islâmica e vamos morrer por ela até que tenhamos tomado conta de toda a terra, de Jacarta até a Andaluzia. E vos digo: a Espanha é terra de nossos avós e vamos tomar conta dela pelo poder de Alá”, noticiou o jornal El Mundo, de Madrid.

Bravata análoga foi publicada por Abu Bakr al Baghdadi, líder dos terroristas do Estado Islâmico de Iraque e Síria (ISIS), considerado o grupo islâmico mais perigoso e criminoso do momento.

Esse líder se autoproclamou califa, ou líder supremo dos crentes maometanos, e seu grupo está exterminando os católicos do Iraque, após ter martirizado ou expulsado inúmeros outros na Síria.

Ele havia sido detido pelo exército americano no cárcere de Bucca, no Iraque, mas o presidente Obama mandou libertá-lo em 2009, juntamente com todos os prisioneiros.

Esta é minha advertência: vós conquistareis Roma e possuireis o mundo todo.
Abu Bakr al Baghdadi, chefe do ‘califado’ islâmico, solto da prisão em 2009 por ordem de Obama

Em sua exortação bélica, entre outras frases exaltadas, Al-Baghdadi diz: “Pegai nas armas, pegai nas armas, ó soldados do Estado Islâmico! E combatei, combatei!

“Erguei bem alto vossas cabeças, porque hoje vós tendes um califado que vai reunir caucasianos, indianos, chineses, iraquianos, iemenitas, egípcios, magrebinos, americanos, franceses, alemães e australianos. A Síria não pertence aos sírios e o Iraque não pertence aos iraquianos. A Terra toda pertence a Alá”.

“Esta é minha advertência: vós conquistareis Roma e possuireis o mundo todo”, noticiou o site Gateway Pundit.

Católicos estão sendo massacrandos na Síria e no Iraque
Católicos estão sendo massacrados na Síria e no Iraque.

Califados foram fundados às pencas na história do islamismo, mas muitos poucos vingaram e nenhum sobrou. Propósitos aloucados do gênero são pronunciados todas as sextas-feiras (dia santo no Islã) nas mesquitas, inclusive no Ocidente.

Mas quando as palavras são acompanhadas de morticínios em massa, como está acontecendo na Síria e no Iraque, devem ser tomadas muito a sério.

E, mais especialmente, quando os mesmos objetivos são anunciados por líderes islâmicos revestidos de verdadeiro poder, como é o caso do primeiro-ministro da Turquia Recep Tayyip Erdogan, acolhido no mês de junho último em Viena.

No dia de Corpus Christi, o premiê desse populoso país maometano, em vias de ingressar na União Europeia, discursou ante 7.000 imigrantes turcos na Áustria.

A multidão o ovacionou quando declarou: “Nós somos os netos do poderoso Sultão Solimão. Nós somos os herdeiros de heróis como Maomé IV e Kara Mustafá Pachá”, em referência aos chefes dos exércitos otomanos que sitiaram a cidade de Viena.

Solimão o Magnífico tentou apossar-se da capital austríaca em 1529, e em 1683 Maomé IV lançou contra ela suas tropas, comandadas por Kara Mustafá Pachá.

No primeiro caso, a heroica defesa da cidade pelo conde Nicolas Salm, após longos combates, forçou os turcos a abandonar o assédio, fato que foi considerado miraculoso pelos cristãos .

No segundo assédio, a épica libertação de Viena, efetuada por João Sobieski, Rei da Polônia, levou o Papa Inocêncio XI a instituir a festa do Santíssimo Nome de Maria. Após a batalha, o Beato Marco d’Aviano, frade capuchinho, foi aclamado vencedor devido à sua pregação, que entusiasmou os soldados de Cristo.

Porém, hoje os tempos mudaram na Igreja e nos países outrora cristãos. O jornal alemão “Die Zeit” limitou-se a fazer um sarcasmo numa manchete intitulada: “Os netos dos ocupadores”.

Mohamad Yazgi, 26, comentou que no local “muitos diziam que Erdogan é o sultão da Turquia. E eu acho isso mesmo!”, noticiou Nouvelles de France.

Detalhes do artigo

Autor

Luis Dufaur

Luis Dufaur

1043 artigos

Escritor, jornalista, conferencista de política internacional no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, webmaster de diversos blogs.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados