Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Leve Esperança ao Sul: Ajude a Distribuir 50.000 Medalhas Milagrosas

“Gabinete Paralelo” ou Subsidiariedade? CPI Covid tem viés socialista-ditatorial


“Gabinete Paralelo” é o novo slogan da CPI, é preciso manter o clima de suspeição. Se chamarmos de “Gabinete Auxiliar” o balão midiático esvazia. As contradições, na condução da CPI da Covid são gritantes, desconcertam o grande público, causam indignação e repulsa, realizam aquelas palavras da Escritura: um abismo atrai outro abismo. (Sl 41, 8). São contradições que obedecem a uma lógica: caça aos “inimigos”.

Hoje, queremos mostrar o caráter socialista-ditatorial dessa CPI ao ignorar, silenciar, perseguir a Subsidiariedade, ou seja, a participação proporcional dos grupos intermediários na solução dos problemas de saúde.https://ipco.org.br/algoritmo-robo-ou-subsidiariedade-sociedade-organica-versus-great-reset/

A Subsidiariedade, princípio fundamental da boa ordenação social, é fundamentada no ensinamento dos Papas. A Subsidiariedade é baseada naquela força vital que parte de baixo para cima numa sociedade livre. Incentivar os indivíduos, famílias, grupos, associações a produzirem o melhor de si mesmos. Depois vem a ação supletiva do Município, do Estado e por fim da Federação.

O socialismo, pelo contrário, concebe a ação do Estado como planificador total ao qual os indivíduos obedecem como robôs. Ele ignora, repudia a livre iniciativa e a subsidiariedade.

Os “dogmas” da CPI da Covid

1 – Saúde não interessa.

Foi cancelado o debate entre médicos pró tratamento precoce e seus opositores. As tentativas de explanações, do ponto de vista médico, — esclarecimento ao público — de Dra Mayra Pinheiro e Dra Nise Yamaguchi foram brutalmente interrompidas. Aliás, elegância, cavalheirismo, respeito devido às mulheres foram proscritos da parte dos condutores dessa CPI. Os fatos são de conhecimento público, dispensam citações.

2 – Subsidiariedade é acusada de “Gabinete Paralelo”

Outro ponto característico do socialismo-ditatorial. A iniciativa de médicos pró vida de procurarem o Governo e oferecerem colaboração — isso se chama Subsidiariedade, nas sociedades livres — é tachada de “gabinete paralelo”. As patrióticas iniciativas locais de uma feliz parceria empresários-médicos em cidades brasileiras — mais um belo exemplo de Subsidiariedade — são silenciadas nessa CPI que deveria ter seu foco em “salvar vidas”.

3 – Condenação do Tratamento Precoce

Como a Saúde não interessa aos condutores da CPI da Covid, a tática do desprezo, a tentativa de ridícularizar os médicos que se dedicam ao tratamento precoce — note-se, cada um desses heróis tem seu banco de dados auditável para provar a eficácia da ivermectina, da hidroxicloroquina na fase 1, são médicos da linha de frente — também está ao alcance de todos. As inquirições na CPI o provam.

O novo Comitê de Saúde Pública da Revolução Francesa

Infelizmente, alguns comentaristas erram ao rotular essa CPI: machismo, inquisição etc. O símile adequado para a CPI da Covid é o Comitê de Salvação Pública, da Revolução Francesa.

“Entre junho de 1793 e julho de 1794, cerca de 16.594 pessoas foram executadas durante o Reinado de Terror na França, sendo 2.639 mortes só em Paris.[2] Apesar disso, há um consenso de que o número é muito maior, com cerca de 10 mil mortes que ocorreram sem julgamentos ou em prisões.[3]

“Inicialmente, o Terror, que era voltado principalmente aos realistas e aos girondinos tornou-se uma perseguição geral a todos os “inimigos” da Revolução (…) sua figura de maior destaque foi Robespierre.”

***

Em ambos ( tanto no Terror quanto em 2021 ) se nota o viés ideológico de esquerda. Quem são os novos “inimigos” da Revolução? Quem são os “inimigos” que a CPI da Covid busca, tão deliberadamente condenar? Essa CPI da Covid que se desinteressa pela Saúde e pelos métodos de “salvar vidas”?

— Silêncio sobre os gritantes e astronômicos desvios de verbas federais (da saúde) por parte de governadores e prefeitos; esse é um clamor do Brasil inteiro que deseja saber onde foram empregrados os bilhões de reais … que a CPI tem ignorado. Em proveito de quem?

Afinal, qual é a legitimidade dessa CPI da Covid, interrogam os brasileiros. Quererão o Presidente e o Relator repetir, em 2021, os erros do Comitê de Saúde Pública, na Revolução Francesa?

Está claro o viés socialista-ditatorial

Vamos recordar, o socialismo, como o também o comunismo, desprezam as qualidades individuais em favor de um planejamento central, ditatorial. A CPI tem o viés socialista-ditatorial.

Viés ou tendência é um peso desproporcional a favor ou contra uma coisa, pessoa ou grupo comparado a outro, geralmente de uma maneira considerada injusta. (…) Enviesado ou tendencioso significa unilateral, sem um ponto de vista neutro ou sem mente aberta. O viés pode vir de várias formas e está relacionado a preconceito e intuição. https://pt.wikipedia.org/wiki/Vi%C3%A9s

Por que socialista? Porque despreza a colaboração, o concurso de corpos intermediários como sejam a família, as associações, as entidades de classe, sobretudo, no caso, os médicos.

Por essa razão os bilionários da Big Tech, do Forum Econômico Mundial e, infelizmente, com o apoio de Roma, querem impor ao mundo uma governança global. Esse seria o socialismo mundial, a nova ditadura a propósito da Pandemia, querendo instalar a maior senzala com a qual nem Hitler, nem Stalin, nem Mao sonharam.

***

Fica demonstrado que a CPI da Covid é totalitária e socialista: ignora e recusa a livre iniciativa, a Subsidiariedade.

Essa é a hora da sadia opinião pública manifestar-se a favor do Brasil. Terra de Santa Cruz, de formação cristã desde o seu Descobrimento, grande pelo Território, por suas riquezas ( cobiçadas pela China ), pela índole de seu povo destinado a ser um bastião conservador a iluminar o Novo Mundo.

Nossa Senhora Aparecida, São José de Anchieta protejam esse nosso Brasil de todos os vieses socialistas que desde Prestes quiseram jugular essa Nação.

Detalhes do artigo

Autor

Marcos Machado

Marcos Machado

477 artigos

Pesquisador e compilador de escritos do Prof. Plinio. Percorreu mais de mil cidades brasileiras tomando contato direto com a população, nas Caravanas da TFP. Participou da recuperação da obra intelectual do fundador da TFP. Ex aluno da Escola de Minas de Ouro Preto.

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados