Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Palmada nos filhos não pode; machadada na família pode!


Paulo Roberto Campos

Será como na China, onde é o Exército que educa as crianças?! “Crianças participam de treinamento de luta em acampamento militar juvenil na China, foto Laiman Lee/Efe”

A maioria dos brasileiros já levou palmadinha dos pais, já deu nos filhos e é contra o projeto de lei federal que proíbe palmada, beliscões e castigos físicos em crianças, segundo pesquisa Datafolha.

Dos 10.905 entrevistados 54% são contra o projeto e 36% a favor.

Arrepia aos brasileiros a invasão do espaço privado “da casa” pelo Estado que passaria a interferir em fatos ínfimos e muito íntimos da vida do lar.

“Tomei poucas palmadas e foram bem dadas. Na hora, senti que era um castigo. Agora só tenho razões para dizer quão certa minha mãe estava”, disse José Gregori, 80, figura ligada à defesa dos direitos humanos.

O jogador William, 33, capitão do Corinthians confirma: “Levei palmada e apanhei com vara de árvore. Me ajudou a saber os limites”.

“Tenho 70 anos e seis irmãos. Apanhei quando criança. Meus pais sabiam por que batiam e nós sabíamos por que apanhávamos.

Nenhum de nós foi lesionado física ou mentalmente. Igualmente, nenhum de nós foi bandido, cheirador de pó, fumante de maconha ou de crack.

“Vêm agora ‘doutores’, psicólogos e outros, inventar uma nova educação, ou melhor, subverter a educação. Assiste-se à derrocada da educação em nome de uma modernidade bestial e grosseira, sem freios e sem respeito”, escreveu o leitor Mauricio Alves, de Vila Velha (ES) para a “Folha de S. Paulo”.

Porém, para o radicalismo do PNDH-3, nenhum destes argumentos de bom senso tem valor.

Em nome dos “Direitos Humanos” como ele os entende não pode haver a palmadinha materna ou paterna, mas o Estado ‒ este sim ‒ pode interferir no seio da família dando-lhe machadadas, como é o caso da planejada proibição.

Detalhes do artigo

Autor

Paulo Roberto Campos

Paulo Roberto Campos

216 artigos

Jornalista (MTB 83.371/SP), colabora voluntariamente com a Revista "CATOLICISMO" (mensário de Cultura e Atualidades) e com a "ABIM" (Agência Boa Imprensa).

Categorias

Esse artigo não tem categoria

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados