Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

Livro: Uma brecha na barragem - A infiltração do lobby LGBT na Igreja

Príncipe Harry e Meghan, ao rejeitarem a nobreza, rejeitam mais do que um título de “alteza real”  


O público deita seu olhar para o Mundo da Nobreza

Mesmo depois das duas grandes Guerras Mundiais que devastaram as nações e suas formas de governos, principalmente as que eram regidas pela nobreza –  de modo especial no Ocidente –, temos ainda hoje a encantadora Nobreza Britânica.

Com sua Rainha, Elizabeth II aos 93 anos, casada a 73 anos com Príncipe Philip completando 67 anos de reinado. É impressionante vermos que até hoje vem deslumbrando não apenas o seu povo britânico, mas o mundo todo – note-se que até nações não monárquicas a admiram.

Quem não parou por um instante para ver a filmagem, da borda de platina do casamento da Rainha Elizabeth II, – em 2017, onde os seus súditos dormiam, muitas vezes ao relento – renunciando a suas camas aconchegantes e à comodidade de assistir (a cerimônia) pela TV ou internet – para ver um aceno da Rainha, mesmo que não fosse direcionado a si mesmos. Será que um chefe de Estado moderno, por exemplo: Dilma Rousseff ou Angela Merkel, conseguiriam despertar tamanho entusiasmo e admiração?

O casamento do século

Príncipe William e Kate Middleton, durante o casamento chamado por muitos de “casamento do século”

Outro deslumbre: dos contos de Cinderela à vida real, Kate Middleton se casa com o príncipe William [foto ao lado], acontecimento chamado por muitos como “casamento do século”, onde bilhões deitam seu olhar para Mundo da Nobreza. Cerca de dois bilhões de pessoas em 180 países acompanharam a cerimônia pela televisão, pela internet, ao mesmo tempo em que milhares de pessoas de todo mundo tomaram as ruas de Londres — para o acontecimento mais esperado na Grã-Bretanha — desde o casamento de Diana e Charles, os pais de William.

O mundo olha com especial atenção as atitudes que vem tomando o jovem casal real britânico, o duque e a duquesa de Cambridge. A simpatia da duquesa, Catherine Cambridge, vem se assemelhando, aos olhos do público, à da princesa Diana – que também foi aos poucos ganhado –, e mais ainda, agraciou com uma prole abundante, onde garantirá a dinastia da Casa de Windsor, e vem tomando ares de princesa… Sobretudo, o príncipe William vem deixado se envolver e forjando-se pela Tradição que a monarquia inglesa formou, imbuindo-se da missão de um nobre.

O caso do príncipe Harry e Meghan   

Príncipe Harry – o duque de Sussex – e sua esposa Meghan. “Harry e Meghan rejeitam usar nome ‘Sussex Royal’” Estas atitudes vêm demonstrado um rompimento.

Agora, bem distante disto, infelizmente, é o caso do príncipe Harry – o duque de Sussex – e sua esposa Meghan, conforme notícia do jornal O Estado com o título: “Harry e Meghan rejeitam usar nome ‘Sussex Royal’”; eles “deixarão de utilizar a denominação ‘real’ nos próximos meses[…], depois de terem aberto mão das suas funções reais em março.” E continua; “O casal já não podia usar o título de ‘alteza real’.” (OESP 22/02/2020).

Estas atitudes vêm demonstrado um rompimento — por não terem mais apreço a Tradição da Nobreza, — deixando transparecer que passam quase por asfixiamento. No rumo que estão tomando, se tornarão – muito em breve, com muito apoio midiático, aliás – uns Jet Set. A sobra da nobreza …

Um trecho do livro Nobreza e Elites Tradicionais análogas explica essa mudança

Livro Nobreza e elites tradicionais análogas… de autoria do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira

Mas, como entender esta mudança tão trágica e repentina? O que mudou mesmo neles para chegarem a esse ponto?

Para isto trarei ao leitor um texto tirado do livro Nobreza e elites tradicionais análogas… de autoria do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, onde poderemos ver, como pano de fundo, quais poderiam ser as razões que levaram o príncipe Harry e sua esposa Meghan a renunciarem à nobreza.

Poderemos também entender porque o outro casal, o príncipe William, duque de Cambridge e a duquesa Catherine, vem encantando todo o mundo, por uma postura digna da nobreza, uma ascese entre renúncia e dedicação – vencendo uma atmosfera hostil muitas vezes – na defesa da Tradição da Nobreza, que é fruto da Civilização Cristã.

O papel da nobreza, que deve se empenhar na sociedade e no exemplo a seu povo, explanado na alocuções de Pio XII ao Patriciado e a Nobreza romana *:

Papa Pio XII

“O Sentido e valor da verdadeira tradição”

‘ “ O apreço a uma tradição é virtude raríssima nos nossos dias. De um lado, porque a ânsia de novidades, o desprezo pelo passado, são atitudes de alma que a Revolução () tornou muito frequentes. De outro lado, porque os defensores da tradição a entendem por vezes de modo inteiramente falso. A tradição não é um mero valor histórico, nem um simples tema para variações de um saudosismo romântico. É ela um valor a ser entendido, não de modo exclusivamente arqueológico, mas como fator indispensável para a vida contemporânea. ” ’

(*) O termo “Revolução” é usado neste livro no mesmo sentido que lhe é atribuído no ensaio Revolução e Contra-Revolução, do mesmo autor.

Designa ele um movimento iniciado no século XV tendente a destruir a Civilização Cristã e implantar um estado de coisas diametralmente oposto. Constituem etapas desse processo a Pseudo-Reforma, a Revolução Francesa, o Comunismo nas suas múltiplas variações e na sua subtil metamorfose dos dias presentes.”

‘ “A palavra tradição, diz o Pontífice, “soa desagradavelmente a muitos ouvidos. Ela desagrada, com razão, quando pronunciada por certos lábios. Alguns a compreendem mal; outros usam-na como falacioso pretexto para o seu egoísmo inativo. À vista de um desentendimento e desacordo tão dramáticos, não poucas vozes invejosas, muitas vezes hostis e de má fé, e mais frequentemente ainda ignorantes ou enganadas, questionam-vos e perguntam-vos sem rebuços: para que servis? Para responder-lhes, convém antes entender-se o verdadeiro sentido e valor desta tradição, da qual desejais ser antes de tudo os representantes.” ’*

A Tradição orienta o reto progresso

‘ “Mas a tradição é algo muito diverso dum simples apego a um passado já desaparecido; é justamente o contrário duma reação que desconfia de qualquer progresso sadio. Etimologicamente, o próprio vocábulo é sinônimo de caminho e de marcha para a frente – sinonímia e não identidade. Com efeito, enquanto o progresso indica somente o facto de caminhar para a frente, passo após passo, procurando com o olhar um incerto porvir, a tradição indica também um caminho para a frente, mas um caminho contínuo, que se desenvolve ao mesmo tempo tranquilo e vivaz, de acordo com as leis da vida, escapando à angustiosa alternativa si jeunesse savait, si vieillesse pouvait! [se a juventude soubesse, se a velhice pudesse]; semelhante àquele Senhor de Turenne (*), do qual foi dito: ‘Teve na sua mocidade toda a prudência duma idade avançada, e numa idade avançada todo o vigor da juventude’ (Fléchier, Oração fúnebre, 1676).’

(*) Refere-se a Henrique de Latour d’Auvergne, Visconde de Turenne, Marechal de França (1611-1675).

‘ “Na força da tradição, a juventude, iluminada e guiada pela experiência dos anciãos, avança com passo mais seguro, e a velhice transmite e entrega confiante o arado a mãos mais vigorosas, que continuam o sulco já iniciado. Como indica o seu nome, a tradição é um dom que passa de geração em geração; é a tocha que, a cada revezamento, um corredor põe na mão do outro, e confia-lha sem que a corrida pare ou diminua de velocidade. Tradição e progresso reciprocamente completam-se com tanta harmonia que, assim como a tradição sem o progresso se contradiria a si mesma, assim também o progresso sem a tradição seria um empreendimento temerário, um salto no escuro.

Não, não se trata de remar contra a corrente, de retroceder para as formas de vida e de acção de idades já passadas, mas sim de, tomando e seguindo o que o passado tem de melhor, caminhar ao encontro do porvir com o vigor imutável da juventude” (*).’

(*) PNR 1944, pp. 178-180; cfr. Documentos VI.

Importância e legitimidade das elites tradicionais

‘O sopro demagógico de igualitarismo que perpassa o mundo contemporâneo cria uma atmosfera de antipatia contra as elites tradicionais. E isto, precisamente, em grande parte pela fidelidade que estas têm à tradição. Há nessa antipatia, pois, uma grave injustiça, desde que tais elites entendam  a tradição retamente:’

‘ “Procedendo desta forma, a vossa vocação resplandece já delineada, grande e laboriosa, pelo que deveria merecer-vos a gratidão de todos, e tornar-vos superiores às acusações que vos fossem feitas de um ou de outro lado.

‘ “Enquanto tendes providamente em vista ajudar o verdadeiro progresso para um mais são e feliz porvir, seria uma injustiça e uma ingratidão recriminar-vos e imputar-vos como uma desonra o culto do passado, o estudo da sua história, o amor aos santos costumes, a fidelidade irremovível aos princípios eternos. Os exemplos gloriosos ou infaustos daqueles que precederam os tempos presentes são uma lição e uma luz diante dos vossos passos. E com razão já foi dito que os ensinamentos da História fazem da Humanidade um homem que caminha sempre e nunca envelhece. Viveis na sociedade moderna, não como emigrados em País estrangeiro, mas como beneméritos e insignes cidadãos, que pretendem e querem trabalhar com os seus contemporâneos, a fim de preparar o saneamento, a restauração e o progresso do mundo” (*).” ’

(*) PNR 1944, p. 180.

Não imagine o leitor que, com este sábio conselho, Pio XII omite os graves perigos resultantes da supervalorização da técnica moderna. Com efeito, eis o que, a tal respeito, ele ensina:

A …. técnica, levada no nosso século ao apogeu do esplendor e do rendimento, parece inegável que se transforma por circunstâncias de facto em grave perigo espiritual. Diríamos que dá ao homem moderno, inclinado diante do seu altar, um sentido de auto-suficiência, e de satisfação plena das suas aspirações de conhecimento e de poder sem limites. Com o seu múltiplo emprego, a absoluta confiança que suscita, as inexauríveis possibilidades que promete, a técnica moderna desenvolve, em torno do homem contemporâneo, visão tão vasta que leva muitos a confundi-la com o próprio infinito. Atribui-se-lhe, por consequência, uma autonomia impossível, que por sua vez se transforma, no pensar de alguns, em errada concepção da vida e do mundo, que se designa com o nome de ‘espírito técnico’.

Em que consiste o reto e sadio progresso?

Mas este, em que consiste exatamente? Em considerar como o mais alto valor humano e da vida o tirar o maior proveito das forças e dos elementos da natureza; em colocar como fim, de preferência a todas as outras atividades humanas, os métodos tecnicamente possíveis de produção mecânica, vendo neles a perfeição da cultura e da felicidade na terra.” (Rádio-mensagem de Natal de 1953, Discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, Tipografia Poliglotta Vaticana, vol. XV, p. 522).

Fonte: * Nobreza e Elites tradicionais análogas na alocuções de Pio XII ao Patriciado e a Nobreza romana. Livraria Civilização – Editora – Porto – Portugal, 1993, (página 74 Capitulo V, Ponto 3 letra b e c).

Elizabeth II atrai multidões em Londre no último dia de seu Jubileu de Diamante

Detalhes do artigo

Autor

Marcio Coutinho

Marcio Coutinho

52 artigos

Categorias

Tags

Esse artigo não tem tag

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados