Portal do IPCO
Plinio Corrêa de Oliveira
IPCO em Ação

A caravana do IPCO começou

Reflexão Para A Semana Santa


"
\\\"\\\"

Jesus morre lentamente. São três horas de agonia. Após suplícios inenarráveis e atrozes, Jesus entregou o seu espírito ao Divino Pai, em meio da perplexidade de todos; até mesmo de um pagão, o Centurião romano que, atarantado, exclamou ser aquele homem um justo.

Os santos evangelhos nos contam ter ocorrido grande tremor de terra, que o sol perdido o seu brilho, a terra ficou envolta em escuridão. Isso deixou atônito o centurião e todos que acompanhavam espantados as circunstâncias da morte de Jesus Cristo, percebendo que se tratava na realidade de um Deus.

Esses prodígios se sucederam e demonstraram que a morte do Justo, que ao mesmo tempo era Deus e Homem, reuniam todos os elementos para registrar e glorificar o prodígio de misericórdia de um Deus que deu vida por todos nós.

  Não foi sem razão que Jesus alertara as multidões: quando fosse elevado da terra atrairia todas as criaturas. Por isso, ao sentir o terremoto e tudo que acontecia, ao assistir a esse espetáculo, aquelas testemunhas se retiraram batendo no peito e reconhecendo o pecado que haviam cometido, em sinal de arrependimento.

Com tais atitudes reconheciam a injusta morte d’Aquele que criou o Céu e a Terra; ao mesmo tempo puderam ver nesta morte, ainda sem conhecer a Ressurreição que logo viria, a glória e o triunfo daquele que passara a vida fazendo o bem.

Por outro lado, os pagãos reconheceram em altos brados que Jesus era inocente. O povo judeu se limitava apenas em bater no peito, indo embora silenciosamente. O covarde juiz Pôncio Pilatos se declarou inocente.

Também o centurião, vendo e sentindo toda aquela conturbação da natureza, creu que Jesus era inocente. O traidor reconheceu a inocência de Jesus, se enforcando, e com isso admitiu o próprio crime. Enfim, toda a natureza convulsionada se manifestou ao testemunhar a morte do seu Criador.

Com o estremecimento da terra, os sepulcros se abriram, e os santos ressuscitaram para denunciar o grande pecado do assassinato de um Deus. Enquanto isso, a grande exceção, as autoridades religiosas, os altos dignitários que dominavam a Sinagoga, permaneceram inflexíveis no crime e na sua maldade, pela sua dureza de coração.

Quantas circunstâncias extraordinárias se passaram na hora da morte de Jesus! Qual é o significado que tudo isso traz para os nossos dias? Se não tivermos uma fé profunda e sincera, faltarão as necessárias disposições de alma para nos conduzir, com auxílio da graça divina, à santidade.

Nada entenderemos da conexão desse magno acontecimento com a situação de nossos dias, que representa igualmente a paixão da própria Santa Igreja Católica. O que se passou naquele então, com o povo judeu, ocorre igualmente em nossos dias com a indiferença e condescendência diante dos erros difundidos na sociedade.

Para as pessoas mais ilustradas, a situação ainda é agravada pela capacidade que têm de perceber e entender as coisas. Eles possuem meios de avaliar os significados que levam à existência de um processo sutil, mas inexorável, da autodemolição em curso no interior da própria Igreja. Se não o fazem, é por miopia culposa.

Não pretendendo alongar mais a meditação, mas menciono apenas mais um fato, ou seja, o engajamento de tantos elementos do clero com a esquerda, com o comunismo, que escandaliza o orbe católico e põe, bem à mostra, a tragédia em que vive a nossa santa Mãe, a Igreja.

Infelizmente, tal processo não foi bem percebido em seu início, o que agrava esse dramático e misterioso processo. Para muitos, passou despercebida toda a manobra; como pode ter acontecido tão profunda infiltração de gente má nas fileiras da Hierarquia sagrada com a consequente difusão e adoção de tantas ideias revolucionárias?

Talvez pensando nisso foi que o grande papa do início do século passado, São Pio X, afirmava que não precisamos ir muito longe para encontrar os inimigos da Igreja, pois eles se encontram na verdade dentro d’Ela. Assim ocorreu também no tempo de Nosso Senhor vivendo em meio de seu povo.

O pecado imenso, para se chegar ao ponto de tirar a vida de um Deus foi enorme e se chama deicídio. O mesmo sucede agora, em nossos dias, a ponto de destruir a instituição, se Ela não fosse imortal.

Este é o ponto principal de nossa reflexão de Semana Santa em pleno século XXI: a tentativa, aliás vã, de demolir a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana. Que a Santíssima Virgem de Aparecida, nossa Padroeira, hoje tão esquecida, nos conceda a graça de cultivarmos nos nossos corações, uma profunda união com as dores que a Mãe Santíssima sofreu, junto de seu Filho.

Ela, por essa forma, assumiu o papel de colaboradora principal na Redenção do gênero humano a ponto de ser chamada a justo título de Corredentora, objetivo do maior acontecimento da história: a Encarnação, Paixão e Morte do Filho de Deus, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade.

____________

*Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).

  Crise na IgrejaCrucifixãoCrucifixosSemana Santa

"

Detalhes do artigo

Autor

Padre David Francisquini

Padre David Francisquini

137 artigos

Pe. David exerce sua missão sacerdotal na Igreja do Imaculado Coração de Maria, em Cardoso Moreira (RJ). Entusiasta do livro Revolução e Contra-Revolução, do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, o Revmo. Pe. David sempre propagou os ideais deste insigne pensador e líder católico. Pe. David é autor de dois livros importantes para a defesa da família Brasileira: "Catecismo contra o Aborto" e "Homem e Mulher, Deus os criou".

Categorias

Tags

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Tenha certeza de nunca perder um conteúdo importante!

Artigos relacionados